10% de desconto

As Flores do Mal

de Charles Baudelaire; Tradução: João Moita

idioma: francês, português
editor: Relógio D'Água, maio de 2020
«As Flores do Mal não contêm poemas históricos nem lendas; nada que repouse sobre uma narrativa. Não vemos nelas tiradas filosóficas. A política não aparece, as descrições são raras e sempre significativas. Mas tudo nelas é encanto, música, sensualidade poderosa e abstrata… Luxo, forma e voluptuosidade.
Há nos melhores versos de Baudelaire uma combinação de carne e de espírito, uma mistura de solenidade, de calor e de amargura, de eternidade e de intimidade, uma raríssima aliança da vontade com a harmonia, que os distingue nitidamente dos versos românticos, como os distingue nitidamente dos versos parnasianos.»

[Do Prefácio de Paul Valéry]

As Flores do Mal

de Charles Baudelaire; Tradução: João Moita

Propriedade Descrição
ISBN: 9789896419974
Editor: Relógio D'Água
Data de Lançamento: maio de 2020
Idioma: Francês, Português
Dimensões: 153 x 233 x 29 mm
Encadernação: Capa mole
Páginas: 392
Tipo de produto: Livro
Coleção: Poesia
Classificação temática: Livros em Português > Literatura > Poesia
EAN: 9789896419974
e e e e e

Essência intemporal

António Mateus

A essência da poesia, sem, apenas aparentemente, peias morais. O paradoxo do bem e do mal, presente na condição humana, quantas vezes no fio da navalha, é posto em evidência, descarnado das "conveniências" que sustentam um status quo do "coletivo".

Charles Baudelaire

Baudelaire nasceu em Paris a 9 de abril de 1821, filho de François Baudelaire, então com 62 anos, e da jovem Caroline. Após a morte do marido em 1827, esta desposou o comandante Aupick, mais tarde general e embaixador francês em Espanha, com quem Baudelaire cedo se incompatibilizaria.
Após a conclusão dos estudos secundários em 1839, Baudelaire, que se revelara um leitor compulsivo de «obras modernas», dedica-se a uma vida boémia e à escrita de poemas. Em 1850, conhece Nerval e Balzac e relaciona-se com Sarah, uma prostituta judia.
Ao atingir a maioridade reivindica a herança paterna, consome ópio e haxixe (experiência que está na origem de Os Paraísos Artificiais) e relaciona-se com atriz Jeanne Duval.
Em 1844, os seus bens são interditados judicialmente pela família. Baudelaire escreve em revistas literárias e aproxima-se dos românticos que evoluem para o esteticismo com Théophile Gautier, e dos realistas.
Em 1846, publica Salão de 1846, onde elogia Delacroix, e no ano seguinte a novela Fanfarlo.
Participa na luta revolucionária nas barricadas de Paris em 1848 e sente-se próximo dos socialistas utópicos.
A partir de 1852, saem várias traduções suas de Poe em revistas.
A 25 de junho de 1857 é posto à venda o volume com cem poemas de As Flores do Mal. Le Figaro denuncia a imoralidade da obra, que será confiscada.
1861 é o último ano de intensa criação para Baudelaire, apesar das frequentes manifestações de sífilis. Edita a segunda edição de As Flores do Mal com trinta e cinco novos poemas e estudos sobre Wagner e Victor Hugo.
Em 1863, Le Figaro publica O Pintor da Vida Moderna, escrito em 1856-1860, e La Revue nationale publica Poemas em Prosa.
A 7 de fevereiro de 1865, Le Figaro edita O Spleen de Paris. Mallarmé e Verlaine elogiam Baudelaire, que morre a 31 de agosto de 1867, sendo sepultado no cemitério de Montparnasse.

(ver mais)
Obra Completa de Arthur Rimbaud

Obra Completa de Arthur Rimbaud

10%
Relógio D'Água
34,00€ 10% CARTÃO
portes grátis
Obra Poética 1965-1995

Obra Poética 1965-1995

10%
Edições Afrontamento
27,25€ 10% CARTÃO
portes grátis
A Invenção da Modernidade

A Invenção da Modernidade

10%
Relógio D'Água
20,19€ 10% CARTÃO
portes grátis
O Spleen de Paris

O Spleen de Paris

10%
Biblioteca Editores Independentes / Relógio D’Água
6,50€ 10% CARTÃO
Obra Completa de Arthur Rimbaud

Obra Completa de Arthur Rimbaud

10%
Relógio D'Água
34,00€ 10% CARTÃO
portes grátis