10% de desconto
editor: Assírio & Alvim, junho de 2007
Primeiro, Sá-Carneiro teve sobretudo o génio de querer ter génio, pois a sua ânsia de Novo apenas encontrou formas recolhidas da tradição, de Nobre a Pessanha, tornadas mais intensas pelo luxo das imagens e pelo desfazer anti-romântico do Eu sentimental — no que acompanhou o seu grande amigo Pessoa.
Desse caos decadente emergiu um último Sá-Carneiro, que desde Orpheu 2 escreve alguns dos poemas mais dilacerantes da língua, num tom de singularidade radical, fulgurante e excessivo.

Poemas

de Mário de Sá-Carneiro

Propriedade Descrição
ISBN: 978-972-37-1215-5
Editor: Assírio & Alvim
Data de Lançamento: junho de 2007
Idioma: Português
Dimensões: 121 x 189 x 16 mm
Encadernação: Capa mole
Páginas: 144
Tipo de produto: Livro
Coleção: BI
Classificação temática: Livros em Português > Literatura > Poesia
EAN: 9789723712155
e e e e E

Lindos poemas

C.

Vindos de um dos mais reputados membros da Geração d´Orpheu, os poemas que compõem este livro refletem muitas vezes uma estrutura psicológica complexa e rara, tocam variados temas, pelo que é muito fácil identificarmos-nos com a poesia do autor.

e e e e e

Puro teatro-arte

Miguel Peres

Conjunto de poemas, muito bem conseguidos, do grande expoente do modernismo em Portugal.

e e e e e

Poesia Portuguesa de excelência, a um preço acessível, numa relação qualidade-preço, excelente!

Pedro Borges (BRAGANÇA).

Eis!... - mais uma, oportunidade imperdível de adquirir, a um preço muito acessível e num formato, realmente, muito prático e funcional’, eis!, dizia eu’, a possibilidade de adquirir uma colectânea interessantíssima de poemas, do grande poeta e ficcionista, vanguardista, figura cimeira e um, dos expoentes do modernismo em Portugal, do primeiro quartel do século XX (faleceu, em finais de Abril de 1916, com apenas 25 anos de idade..!, suicidando-se, num quarto de um hotel na zona de Montmartre, em Paris) e que foi grande, mesmo, na sua curta vida.. (e, também, um dos mais reputados membros da Geração d’Orpheu, grande amigo, também, do grande Fernando Pessoa): eis!, num relance brevíssimo, o grande Mário de Sá-Carneiro! Atente-se na sinopse associada à ficha editorial’do livro em questão, excelente até como introdução à própria obra, em concreto, na sua edição e como exemplo, através, deste mesmo livro, agora, disponível. Verdadeiramente aconselhável, creiam-me! Pedro Borges (BRAGANÇA).

e e e e e

«Poemas» de Mário de Sá-Carneiro

Daniel Ferreira

Membro da Geração de Orpheu, a par do célebre Fernando Pessoa, eis Mário de Sá-Carneiro, vanguardista por natureza, poeta e ficcionista por consequência. Sem dúvida, uma ótima leitura esta.

Mário de Sá-Carneiro

Poeta e ficcionista, com Fernando Pessoa e Almada Negreiros, Mário de Sá-Carneiro constitui um dos principais representantes do Modernismo português. Partindo para Paris, em 1912, para cursar Direito, estudos que abandonaria pouco depois, a figura de Mário de Sá-Carneiro assume uma importância basilar para a compreensão do modo como o Modernismo português se foi formando com caracteres próprios na recepção das correntes de vanguarda europeias, processo de que a correspondência que estabeleceu com Fernando Pessoa dá um testemunho documental precioso e que culminaria com a publicação de Orpheu, em 1915. Os poemas que edita no primeiro número de Orpheu, destinados a Indícios de Oiro, são, a este título, significativos da sua adesão às estéticas paúlica e sensacionista, que na correspondência entre os dois grandes poetas fora gerada, glosando, então, em moldes muito devedores do simbolismo-decandentismo, a abjecção de um eu em conflito com um outro, reverso da sua frustração e insatisfação ("Eu não sou eu nem o outro, / Sou qualquer coisa de intermédio: / Pilar da ponte de tédio / Que vai de mim para o Outro", "7"), ao mesmo tempo que a publicação de "Manucure", no segundo número de Orpheu , revela uma incursão por uma forma poética mais próxima da escrita da vanguarda futurista, no que contém de autonomização do significante. Já antes de Orpheu, a colaboração de Mário de Sá-Carneiro na revista Renascença (1914) - onde Fernando Pessoa publica Impressões de Crepúsculo -, com a publicação de Além (apresentado como uma tradução portuguesa de certo Petrus Ivanovitch Zagoriansky), instituíra a sua experiência poética na charneira entre a herança simbolista e as tentativas paúlicas e interseccionistas. Mário de Sá-Carneiro constitui ainda um paradigma da prosa modernista portuguesa pela publicação das narrativas Céu em Fogo e A Confissão de Lúcio, construídas frequentemente a partir do estranhamento de um narrador insolitamente introduzido em situações onde o erotismo, o onirismo, o fantástico, se associam aos temas obsessivos do desdobramento e autodestruição do eu. O seu suicídio, com 26 anos, parecendo vir selar aquele sentimento de inadaptação à vida, de permanente incompletude, de narcísico auto-aviltamento e, sobretudo, de consciência dolorosa da irremediável cisão do eu, consubstanciada na dramática tensão entre um eu, vil e prosaico, e um outro, seu duplo ideal, que alimentaram tematicamente a obra, nimbou-o para a posteridade de uma aura de poeta maldito, que deixaria um forte ascendente sobre a poesia contemporânea de gerações posteriores à sua. Com efeito, a mensagem poética do autor de Indícios de Oiro ecoa postumamente na literatura presencista da geração de 50 e até surrealista, passando por nomes absolutamente diversos como Sebastião da Gama, Mário de Cesariny ou Alexandre O'Neill, entre muitos outros.

(ver mais)
Bestiário, Fabulas e Outros Escritos

Bestiário, Fabulas e Outros Escritos

10%
Assírio & Alvim
4,40€ 10% CARTÃO
Poesia

Poesia

10%
Assírio & Alvim
8,85€ 10% CARTÃO
A Confissão de Lúcio

A Confissão de Lúcio

10%
Book Cover Editora
4,48€ 4,98€
Verso e Prosa

Verso e Prosa

10%
Assírio & Alvim
28,85€ 10% CARTÃO
portes grátis
Poesia Completa de Mário de Sá-Carneiro

Poesia Completa de Mário de Sá-Carneiro

10%
Tinta da China
30,00€ 10% CARTÃO
portes grátis
Poesia

Poesia

10%
Assírio & Alvim
8,85€ 10% CARTÃO