10% de desconto

O Fio da Navalha

(Pref. por Luísa Esteves)

de William Somerset Maugham

editor: Leya, maio de 2018
A vida de Larry Darrell muda para sempre quando um amigo e colega de combate morre ao tentar salvá-lo. Para o jovem aviador americano, a morte passa então a ter um rosto. O inexorável mistério da morte leva-o a questionar o significado último da frágil condição humana e a embarcar numa obstinada e redentora odisseia espiritual.

Ao recusar viver segundo as convenções impostas pela sociedade para buscar o sentido da vida (que encontrará, certa manhã, algures na Índia), Larry torna-se simultaneamente uma frustração para os que o rodeiam - principalmente para Isabel, a namorada, e Elliott, tio desta, que cultivam acima de tudo a aceitação e o prestígio sociais - e a personificação de um ideal de espiritualidade e não-compromisso.

Por duas vezes adaptado ao cinema, O Fio da Navalha é um romance intemporal. As ansiedades e dúvidas de Larry são também as nossas; continuamos até hoje a buscar um sentido para a nossa existência. Para encarnar essa luta contra o destino, Somerset Maugham criou um dos mais fascinantes personagens do seu vasto legado literário.

Da Primeira à Segunda Guerra Mundial, passando pela Grande Depressão, ele leva-nos, através das sociedades francesa, americana e inglesa, à verdade mais recôndita da alma e do sentimento humanos.

O Fio da Navalha

(Pref. por Luísa Esteves)

de William Somerset Maugham

Propriedade Descrição
ISBN: 9789896604899
Editor: Leya
Data de Lançamento: maio de 2018
Idioma: Português
Dimensões: 163 x 242 x 27 mm
Encadernação: Capa dura
Páginas: 368
Tipo de produto: Livro
Coleção: Livros RTP
Classificação temática: Livros em Português > Literatura > Romance
EAN: 9789896604899
e e e e e

Dos romances para sempre

José Vieira

O Fio da Navalha é uma daqueles romances capaz de levar o leitor aos sorrisos e aos esgares da reflexão condição humana. Poderoso e bem escrito, marcante e charmoso, repelto de personagens inesquecíveis como Larry oi Templeton. Uma leitura obrigatória num tempo em que precisamos novamente de aprender a ser pessoas

e e e e e

Obra-prima

José Vieira

A obra-prima de Somerset Maugham. O sentido da vida e o valor da procura de uma razão para tudo o que acontece. Larry é, tal como Jay Gatsby, um modelo dos tempos modernos vitoriosos e falhados.

e e e e e

Um livro para reflectir sobre as nossas opções de vida

Rui

Adorei este romance de Somerset Maugham, que também é o narrador (participante) da história. O grande protagonista desta história é Larry, que depois da sua participação na primeira guerra mundial, passa por um processo de transmutação interna que o leva a questionar as suas opções de vida, em contraste com as restantes personagens do livro, muito mais mundanas, e que seguem a sua vida através dos caminhos mais padronizados da sociedade (e que não deixam de achar estranho o comportamento desviante de Larry). Um livro que nos faz pensar acerca das nossas opções de vida. Adorei!

e e e e E

Leste/Oeste e o sentido da vida.

Carlos

Um livro sobre o significado da vida, procura "espiritual" e afins. Versa sobre o impacto da guerra na juventude. Tamanho da fonte é óptimo para a leitura. Embora algo datado, é um bom livro em particular para quem gosta de jornadas espirituais e sente um fascínio pelo Oriente.

e e e e e

Um romance imersivo e intemporal

José Vieira

Este romance de Maugham, um dos maiores ficcionistas ingleses de todos os tempos, é uma reflexão intensa e profunda sobre o sentido da existência tendo como plano de fundo os loucos anos 20, o crash de 29 e a ascensão dos totalitarismos racistas na Europa. Maugham revela-nos o sujeito da modernidade no seu esplendor a partir da figura de Larry - um sujeito em constante trânsito, em busca de um sentido para a sua existência para lá dos fins e meios utilitários e materiais.

e e e e e

Um romance revelador

José Vieira

O Fio da Navalha foi, dos últimos romances que tive oportunidade de ler, um daqueles que maior impacto me causou, qual revelação interior. Não é só a forma como autor e narrador se conjugam numa única e mesma entidade, é a maneira fluida e aveludada como as personagens se intersecionam na vida daquele que nos conta a história, através de uma humanização incrível, reveladora de um tempo conturbado e perturbador, misto de exuberância e falência das verdades vigentes: os loucos anos 20, a crise de 29 e a ascenção ao poder dos ismos racistas, obscurantistas e xenófobos. Para além disso, um livro sobre o sentido da existência, da sua busca e da sua constante perda. Um livro memorável!

e e e e E

REVIVER O PASSADO

Lídio Silva

Ler esta obra é como que analisar históricamente uma boa parte do século passado através dos personagens e das suas vontades e motivações. É ainda relevante a forma como quase 100 anos depois, e apesar das modificações inerentes à passagem do tempo, a natureza humana se mantém tão inalterável, e os riscos de tudo se poder vir a passar de novo efectivamente existem. A ler.

William Somerset Maugham

William Somerset Maugham, filho de pais ingleses a viverem em França, nasceu em 1874, na embaixada britânica de Paris, de modo a escapar à obrigatoriedade de cumprir serviço militar imposta a todos os cidadãos nascidos em solo francês. Dramaturgo e romancista, antes de deflagrar a Primeira Guerra Mundial, Maugham já havia publicado dez romances e igual número de peças de teatro da sua autoria haviam subido a palco. Rapidamente se tornou um dos mais célebres escritores do seu tempo, e também um dos mais bem pagos. Quando ficou órfão de ambos os pais, antes de completar dez anos, foi enviado para Inglaterra, permanecendo ao cuidado de um tio. Mudou de país e mudou de língua – a adaptação não decorreu pacificamente. Com dezasseis anos, convenceu o tio a deixá-lo estudar na Alemanha, onde se dedicaria à literatura, à filosofia e à língua alemã. Aqui assumiria a sua bissexualidade, tendo a primeira relação homossexual, e aqui escreveria o seu primeiro livro, uma biografia do compositor Giacomo Meyerbeer. Quando regressou a Inglaterra, Somerset Maugham já tinha a certeza de que queria ser escritor. Durante a Primeira Guerra Mundial, o escritor viajou pela Índia e pelo Sudeste Asiático, experiência que lhe serviu de mote para várias obras. Entre os seus livros mais notáveis, encontram-se Servidão Humana, O Fio da Navalha e A Carta. Somerset Maugham morreu na sua casa do Sul de França em 1965, e as suas cinzas foram espalhadas perto da Biblioteca Maugham, em Inglaterra.

(ver mais)
Os Memoráveis

Os Memoráveis

20%
Leya
8,00€ 10,00€
Mau Tempo no Canal

Mau Tempo no Canal

10%
Leya
10,00€ 10% CARTÃO
Ashenden - O Agente Britânico

Ashenden - O Agente Britânico

10%
Edições Asa
17,90€ 10% CARTÃO
portes grátis
As Paixões de Julia

As Paixões de Julia

10%
Edições Asa
15,00€ 10% CARTÃO
portes grátis