Uma Solidão Demasiado Ruidosa

Livro 1

de Bohumil Hrabal

editor: Edições Afrontamento, abril de 1992
ESGOTADO OU NÃO DISPONÍVEL
VENDA O SEU LIVRO i
"Parecendo remexer, escavar a realidade quotidiana à procura da mais pequena partícula de beleza contida nos seres e nas coisas, Bohumil Hrabal acaba por ser um cronista malicioso e um caricaturista comovente", diz o jornal Libération sobre este autor a quem Kundera chama "uma das incarnações mais autênticas da Praga Mágica".
Apesar da sua obra ter sido proibida a partir de 1968, na então Checoslováquia, não deixou de ser um dos autores mais lidos no seu país, através de edições publicadas e distribuídas à revelia do sistema.
Tal como o autor nos anos 50, o herói deste livro, Hanta, trabalha na cave de um depósito de reciclagem. Trabalha com uma velha prensa e os seus dias passam-se a comprimir livros e papéis. Mas antes de os destruir, Hanta não pode deixar de observar o que lhe passa pelas mãos: folhear esses livros dá um sentido à sua vida.
A instalação de uma cadeia automática capaz de destruir e comprimir livros em enormes quantidades, e a invasão da sua cave por jovens operários-modelo indiferentes que alegremente alimentam as máquinas ultramodernas - evocação da realidade pós-68 - tornam inútil a função de Hanta.
Este livro não consegue ler-se sem um sorriso nos lábios, ao mesmo tempo que um nó se aperta na garganta.

Uma Solidão Demasiado Ruidosa

de Bohumil Hrabal

Propriedade Descrição
ISBN: 9789723602821
Editor: Edições Afrontamento
Data de Lançamento: abril de 1992
Idioma: Português
Dimensões: 147 x 209 x 7 mm
Encadernação: Capa mole
Páginas: 118
Tipo de produto: Livro
Coleção: Fixões
Classificação temática: Livros em Português > Literatura > Romance
EAN: 9789723602821
Idade Mínima Recomendada: Não aplicável
e e e e e

Uma obra insubstituível e inimitável.

Pedro Miguel Gonçalves

O autor, por si só, é um dos melhores escritores europeus, uma descoberta fantástica para mim, pois em Portugal é praticamente desconhecido. E esta obra é um estrondo, é impossível parar de ler, de tão inusitado o que se está a ler. Recomendo vivamente. Ver aqui: http://pedromiguelgon.wordpress.com/2012/11/05/leituras-bohumil-hrabal-ii

Bohumil Hrabal

Bohumil Hrabal (1914-1997) é um dos maiores escritores checos do século XX, a par de Jaroslav Hašek, Karel Capek e Milan Kundera. Eterno compincha de caneca erguida nas tabernas de Praga, amigo da boa cerveja e de gatos (a ordem é aleatória), cedo se deixou seduzir pelos encantos da capital checa. Cursou Direito, que nunca exerceu, viveu a ocupação nazi e o estalinismo do pós-guerra, e teve um sem-fim de ofícios, nos quais beberia a inspiração para os seus livros: de ferroviário durante a guerra (Comboios Rigorosamente Vigiados, 1965, adaptado ao cinema em 1967) e prensador de papel (Uma Solidão Demasiado Ruidosa, 1976) a contraregra e telegrafista. As suas obras circularam clandestinamente após a Primavera de Praga, foram banidas e queimadas, e, a par de outros intelectuais, Bohumil Hrabal foi acossado pelo regime comunista e pelos censores do Estado. Distinguiu-se pela publicação de obras como Eu que Servi o Rei de Inglaterra (1971), A Terra Onde o Tempo Parou (1973) e Terno Bárbaro (1973), pelo humor grotesco e irreverente e pela obsessão com o discurso autêntico e pitoresco do seu povo. No seu último dia neste mundo, caiu da janela do quinto andar num hospital de Praga, ao dar de comer aos pombos.

(ver mais)
Eu que Servi o Rei de Inglaterra

Eu que Servi o Rei de Inglaterra

10%
Edições Afrontamento
14,13€ 10% CARTÃO
M & U

M & U

10%
Edições Afrontamento
8,08€ 10% CARTÃO
Uma Solidão Demasiado Ruidosa

Uma Solidão Demasiado Ruidosa

10%
Antígona
15,00€ 10% CARTÃO
Comboios Rigorosamente Vigiados

Comboios Rigorosamente Vigiados

10%
Antígona
15,00€ 10% CARTÃO
Adeus, até amanhã

Adeus, até amanhã

10%
Sextante Editora (chancela)
14,40€ 10% CARTÃO
Léxico Familiar

Léxico Familiar

10%
Relógio D'Água
16,00€ 10% CARTÃO
portes grátis