10% de desconto

Satânia – Novelas

de Judith Teixeira

editor: E-primatur, maio de 2019
Os livros de Judith Teixeira foram acusados - como a sua autora - de serem imorais, obscenos, degradantes.

Juntamento com obras de António Botto e Raúl Leal, foram apreendidos e queimados. Enquanto Fernando Pessoa e outros contemporâneos defenderam os seus correligionários, Judith, uma mulher à parte dos modernistas, não teve defesa e foi atacada pelos seus pares, pelas instituições civis e pela Igreja.

Satânia, único volume de prosa ficcional da autora, reúne duas novelas onde as temáticas da sensualidade feminina são, como na restante obra da autora, exacerbadas. Judith Teixeira é a única escritora modern(ist)a portuguesa a fazer a ligação de um ultra-romantismo carregado de erotismo latente (A vestal Álvaro do Carvalhal, por exemplo) passando pelo simbolismo, decadentismo e outros movimentos até chegar ao modernismo propriamente dito.

A censura calou esta voz inconformada e, um ano depois da publicação desta obra, até à sua morte em 1959, Judith Teixeira não mais se ouviu ou fez ouvir.

Esta é a primeira edição deste livro originalmente publicado em 1927 ao qual se junta a conferência De Mim na qual Judith Teixeira se procurou defender das críticas com que foi amordaçada.

Satânia – Novelas

de Judith Teixeira

Propriedade Descrição
ISBN: 9789898872265
Editor: E-primatur
Data de Lançamento: maio de 2019
Idioma: Português
Dimensões: 119 x 209 x 6 mm
Encadernação: Capa mole
Páginas: 112
Tipo de produto: Livro
Coleção: Livro B
Classificação temática: Livros em Português > Literatura > Outras Formas Literárias
EAN: 9789898872265
e e e e e

Judith Teixeira

Luís

Uma escritora à frente do seu tempo, que lutou contra o preconceito dos seus pares e da sociedade. Foi criticada até por Fernando Pessoa. Uma mulher que sozinha fez a sua defesa. Um livro obrigatório para qualquer leitor que defende a diversidade e abertura de consciência humana.

e e e e E

Recomendo.

Mário Correia

Um regresso de um grande programa editorial português, os livros B. Em Satânia temos uma janela importante para a obra desta tão esquecida escritora portuguesa. Escrita reflexiva onde o erotismo representa muitas vezes o eixo. Recomendo.

Judith Teixeira

Judith Teixeira (1888-1959) alcançou notoriedade em março de 1923 no seguimento da publicação da sua primeira coletânea de poesia, Decadência, quando foi alvo de uma polémica sobre a (i)moralidade da arte, a qual envolveu também António Botto e Raul Leal. Antes disso, Judith já havia publicado em vários jornais, sob o pseudónimo de Lena de Valois, e contribuído para a Contemporânea, conceituada revista modernista. Apesar do escândalo, publicou mais dois livros de poesia, Castelo de Sombras (1923) e Nua. Poemas de Bizâncio (1926), e duas novelas publicadas sob título de Satânia (1927). Caso altamente invulgar para uma mulher desse período, Judith foi diretora da revista Europa em 1925 e escreveu uma palestra, intitulada De mim. Em que se explicam as minhas razões sobre a Vida, sobre a Estética, sobre a Moral (1926), provavelmente o único manifesto artístico modernista de autoria feminina no início do século XX em Portugal. Morreu quase desconhecida e permaneceu injustamente expurgada da memória coletiva e da história literária até recentemente, seguramente por causa do subtexto lésbico presente em vários dos seus poemas.

(ver mais)
Contos do Gin-Tonic

Contos do Gin-Tonic

10%
E-primatur
13,41€ 14,90€
O Rei de Amarelo

O Rei de Amarelo

10%
E-primatur
16,90€ 10% CARTÃO
portes grátis
Jurgen, Uma Comédia da Justiça

Jurgen, Uma Comédia da Justiça

10%
E-primatur
19,90€ 10% CARTÃO
portes grátis
Contos Completos e Outros Textos

Contos Completos e Outros Textos

10%
E-primatur
17,90€ 10% CARTÃO
portes grátis