Os Reinegros

de Alves Redol

editor: Publicações Europa-América
ESGOTADO OU NÃO DISPONÍVEL
VENDA O SEU LIVRO i
Os Reinegros é um romance cuja acção decorre nos tempos conturbados da transição da monarquia para a república e da consolidação desta. Poder-se-á dizer que é o romance do inconformismo.
Inconformismo do homem, que, liberto do círculo de ferro do fatalismo, se recusa a ser escravo e se rebela contra a servidão.
Este inconformismo é personificado pela figura central do romance, um trabalhador inculto que, embora incapaz de formulações ideológicas claras, adquiriu a percepção do seu direito a algo diferente e melhor, a consciência da sua vocação de homem.

Os Reinegros

de Alves Redol

ISBN: 9789721019102
Editor: Publicações Europa-América
Idioma: Português
Dimensões: 138 x 204 x 23 mm
Encadernação: Capa mole
Páginas: 376
Tipo de produto: Livro
Classificação temática: Livros em Português > Literatura > Romance
EAN: 5601072032705
Alves Redol

António Alves Redo, Nasceu a 29 de Dezembro de 1911, em Vila FRanca de Xira e faleceu a 29 de Novembro de 1969, em Lisboa.
Romancista e dramaturgo, filho de um pequeno comerciante ribatejano, obteve um curso comercial, conheceu em Angola a pobreza e o desemprego e desenvolveu em Lisboa várias actividades profissionais. Militante do partido comunista e empenhado na luta de resistência ao regime salazarista, compreendeu a literatura como forma de intervenção social, sendo um dos seus primeiros romances, Gaibéus , considerado um dos textos literários fundadores da narrativa neo-realista. Ao longo de uma longa e coerente produção literária, Alves Redol trouxe para o romance personagens, temas e situações, ignorados pela literatura, postura que lhe valeu, simultaneamente, o êxito junto de um grande público e o ataque impiedoso da crítica, que apontava como deficiências de escrita a linguagem simples da sua prosa e o esquematismo das tramas romanescas. Acusações que pareciam corroboradas pela despretensão e modéstia literárias manifestadas pelo autor nas epígrafes das suas obras, como sucede em Gaibéus , precedido do aviso de que "Este romance não pretende ficar na literatura como obra de arte. Quer ser, antes de tudo, um documentário humano fixado no Ribatejo. Depois disso, será o que os outros entenderem". No prefácio a Barranco de Cegos (Lisboa, 1970), Mário Dionísio compara o destino da obra de Redol ao dos romances de Zola, que ao escolher temas malditos, como o operariado e os conflitos sociais, recebeu durante anos a aversão dos críticos, até ser redescoberto em leituras inovadoras que revelaram a estrutura épica dos seus romances e a reformulação de mitos contemporâneos nessa prosa chocante, intensa, por momentos quase surrealista.

(ver mais)
20%
Editorial Caminho
5,20€ 6,50€
portes grátis
20%
Editorial Caminho
8,40€ 10,50€
portes grátis
20%
Chiado Books
8,80€ 11,00€
portes grátis
Envio até 5 dias úteis
20%
Clássica Editora
7,06€ 8,83€
portes grátis