10% de desconto

O Mandarim

de Eça de Queiroz

editor: Relógio D'Água, julho de 2004
«Como o seu Portugal, que amava com carinho e com ironia, Eça de Queirós descobriu e revelou o Oriente. A história de O Mandarim (1880) é fantástica. Uma das personagens é um demónio; a outra mata magicamente, de uma sórdida pensão de Lisboa, um mandarim que estende o seu barrilete num terraço que fica no centro do Império Amarelo. A mente do leitor hospeda com alegria essa impossível fábula.
No ano final do século XIX morreram em Paris dois homens de génio. Eça de Queirós e Oscar Wilde. Que eu saiba, nunca se conheceram, mas ter-se-iam entendido admiravelmente.»
Do Prólogo

O Mandarim

de Eça de Queiroz

Propriedade Descrição
ISBN: 9789727087815
Editor: Relógio D'Água
Data de Lançamento: julho de 2004
Idioma: Português
Dimensões: 137 x 209 x 11 mm
Encadernação: Capa mole
Páginas: 138
Tipo de produto: Livro
Coleção: Clássicos
Classificação temática: Livros em Português > Literatura > Romance
EAN: 9789727087815
Eça de Queiroz

Eça de Queiroz nasceu a 25 de novembro de 1845 na Póvoa de Varzim e é considerado um dos maiores romancistas de toda a literatura portuguesa, o primeiro e principal escritor realista português, renovador profundo e perspicaz da nossa prosa literária.
Entrou para o Curso de Direito em 1861, em Coimbra, onde conviveu com muitos dos futuros representantes da Geração de 70. Terminado o curso, fundou o jornal , em 1866, órgão no qual iniciou a sua experiência jornalística. Em 1871, proferiu a conferência «O Realismo como nova expressão da Arte», integrada nas Conferências do Casino Lisbonense e produto da evolução estética que o encaminha no sentido do Realismo-Naturalismo de Flaubert e Zola. No mesmo ano iniciou, com Ramalho Ortigão, a publicação de As Farpas, crónicas satíricas de inquérito à vida portuguesa.
Em 1872 iniciou a sua carreira diplomática, ao longo da qual ocupou o cargo de cônsul em Havana, Newcastle, Bristol e Paris. Foi, pois, com o distanciamento crítico que a experiência de vida no estrangeiro lhe permitiu que concebeu a maior parte da sua obra romanesca, consagrada à crítica da vida social portuguesa e de onde se destacam O Primo Bazilio, O Crime do Padre Amaro, A Relíquia e Os Maias, este último considerado a sua obra-prima. Morreu a 16 de agosto de 1900, em Paris.

(ver mais)
Os Três Mosqueteiros

Os Três Mosqueteiros

20%
Relógio D'Água
14,80€ 18,50€
O Retrato de Dorian Gray

O Retrato de Dorian Gray

10%
Relógio D'Água
17,00€ 10% CARTÃO
portes grátis
Os Maias

Os Maias

20%
Porto Editora
8,88€ 11,10€
Os Maias

Os Maias

20%
Livros do Brasil
8,88€ 11,10€