20% de desconto

O Livro de Cesário Verde e Poesias Dispersas

de Cesário Verde

editor: Editora Guerra & Paz
RECOMENDADO PELO PLANO NACIONAL DE LEITURA i
Com o fim do romantismo e o início do realismo, Cesário Verde, dividido entre o comércio e a literatura, publica os seus versos em jornais. Só em 1887, já postumamente, é publicado o seu primeiro livro: O Livro de Cesário Verde. Muito influenciado por Charles Baudelaire, o poeta cria um estilo próprio e encontra em Lisboa, caótica e sinistra, a sua grande personagem. Afinal, há poesia no real, no concreto, nos objectos banais, nos gestos, no dia-a-dia. Desfilam novas personagens, que já não musas, mas engomadeiras, varinas e operários. Paralelamente ao binómio cidade-campo, surge a figura feminina, a da mulher citadina, frívola e calculista em confronto com a mulher campestre, doce e pura.
Cesário Verde é um dos precursores do modernismo em Portugal. Inventa uma nova poesia quer na forma quer no conteúdo. É um discurso poético de ruptura. O poeta, muito atento ao pormenor, capta as impressões e invoca a realidade. É a poesia do quotidiano, dos sentidos.
Outrora desprezado e ostracizado, o reconhecimento do seu valor literário só chega com a geração de Orpheu. Fernando Pessoa chama-lhe «mestre». É hoje reconhecido como um génio pelas suas composições, como «O sentimento dum ocidental», «Num bairro moderno», «Nós». Aceitemos o convite de Mário Cesariny e vamos «todos para casa ler Cesário Verde / que ainda há passeios ainda há poetas cá no país!»
ESTA EDIÇÃO INCLUI: Nota introdutória · Obra poética integral de Cesário Verde · «Senhor Verde: empregado de comércio ou poeta?»

O Livro de Cesário Verde e Poesias Dispersas

de Cesário Verde

ISBN: 9789897024108
Editor: Editora Guerra & Paz
Idioma: Português
Dimensões: 152 x 229 x 13 mm
Encadernação: Capa mole
Páginas: 168
Tipo de produto: Livro
Classificação temática: Livros em Português > Literatura > Poesia
EAN: 9789897024108
Cesário Verde

Cesário Verde nasce em 1855, em Lisboa. Aos 18 anos publica os primeiros versos no «Diário de Notícias», pela mão de Eduardo Coelho (fundador do jornal), que fora caixeiro na loja de seu pai.
Entre 1874 e 1875 publica vários poemas noutros jornais e revistas. É atacado pelo «Diário Ilustrado», ao qual responde com uma sátira (que não antologia para «O Livro»); Ramalho Ortigão critica-o sem entendimento e com arrogância.
Durante o ano de 1876 publica com menos frequência e nos anos que se seguem continua a ser alvo de mais críticas e maior incompreensão.
Em 1880 publica «O Sentimento dum Ocidental» em «Portugal a Camões» (número especial do «Jornal de Viagens», no âmbito das comemorações do tricentenário da morte de Camões), Porto.
O poema «Nós» é publicado n’ «A Ilustração», em Paris, em 1884.
O seu estado de saúde começa a agravar-se, vindo a morrer de tuberculose a 19 de julho de 1886.
Em 1887 Silva Pinto publica «O Livro de Cesário Verde», com uma tiragem de 200 exemplares.

(ver mais)
20%
Porto Editora
6,16€ 7,70€
portes grátis
20%
Porto Editora
6,16€ 7,70€
portes grátis
20%
Editora Guerra & Paz
10,32€ 12,90€
portes grátis
20%
Editora Guerra & Paz
9,52€ 11,90€
portes grátis