História do Ensino em Portugal

Desde a Fundação da Nacionalidade até ao fim do Regime de Salazar-Caetano

de Rómulo de Carvalho

editor: Fundação Calouste Gulbenkian, abril de 2001
ESGOTADO OU NÃO DISPONÍVEL
VENDA O SEU LIVRO i

História do Ensino em Portugal

Desde a Fundação da Nacionalidade até ao fim do Regime de Salazar-Caetano

de Rómulo de Carvalho

Propriedade Descrição
ISBN: 9789723101737
Editor: Fundação Calouste Gulbenkian
Data de Lançamento: abril de 2001
Idioma: Português
Dimensões: 151 x 227 x 64 mm
Encadernação: Capa mole
Páginas: 962
Tipo de produto: Livro
Classificação temática: Livros em Português > Ensino e Educação > Teorias Educacionais e Currículo Livros em Português > História > História de Portugal
EAN: 9789723101737
Idade Mínima Recomendada: Não aplicável
Rómulo de Carvalho

Rómulo Vasco da Gama Carvalho nasceu em Lisboa em 1906 e faleceu na mesma cidade, em 1997.
Poeta, autor dramático, cientista e historiador, formado em Ciências Físico-Químicas pela Universidade do Porto. Com o seu nome próprio, Rómulo de Carvalho é autor de numerosos volumes de divulgação da cultura científica, publicados, nos anos 50 e 60, na colecção "Ciência para gente nova", da Atlântida nos anos 70, nos "Cadernos de iniciação científica", da Sá da Costa, a que seguiriam nas décadas posteriores vários manuais escolares. Ainda neste domínio, desenvolveu trabalhos de investigação sobre a história da ciência em Portugal. Como poeta, sob o pseudónimo de António Gedeão, é contemporâneo da geração de "Presença", mas só se revelou na segunda metade do século, sendo saudado, no momento da sua revelação, por David Mourão-Ferreira como uma voz "inteiramente nova" no panorama poético dos anos 50 (cf. Vinte Poetas Contemporâneos , 2.a ed., Lisboa, Ática, 1980, pp. 149-153). Para essa originalidade concorriam, entre outros traços, a incorporação das tradições do primeiro e segundo modernismos, a opção por um estilo rigorosamente cadenciado e ritmado, a expressão da inquietação e angústia colectivas do Homem do pós-guerra ou o recurso frequente a uma terminologia ou imagística provenientes do domínio científico. Jorge de Sena (cf. estudo introdutório à segunda edição de Poesias Completas , Lisboa, Portugália, 1968) e Fernando J. B. Martinho (cf. Tendências Dominantes da Poesia Portuguesa da Década de 50 , Lisboa, Colibri, 1996, pp. 428-433) assinalam na poesia de António Gedeão a recorrência de dispositivos retóricos que permitem considerar no âmbito de um neobarroquismo a poesia do autor de Movimento Perpétuo.
Vários dos seus poemas foram também divulgados através da música, como, por exemplo, Calçada de Carriche, Fala do Homem Nascido, Lágrima de Preta e Pedra Filosofal , tendo este último, composto e cantado por Manuel Freire, obtido um sucesso invulgar.

(ver mais)
Física No Dia-a-Dia

Física No Dia-a-Dia

10%
Relógio D'Água
14,13€ 10% CARTÃO
História dos Balões

História dos Balões

10%
Relógio D'Água
10,09€ 10% CARTÃO
Salazar e a Educação no Estado Novo

Salazar e a Educação no Estado Novo

10%
Clube do Autor
15,30€ 17,00€
portes grátis