Doidos e Amantes

de Agustina Bessa-Luís

editor: Guimarães Editores, outubro de 2005
ESGOTADO OU NÃO DISPONÍVEL
VENDA O SEU LIVRO i
Este romance comandado pela ordem dos factos, e que foi primeiro dado a público como folhetim, tem agora outro formato. Terá também outra clientela. Ele é tecido na violência secreta, contrapeso indispensável do sufrágio universal.

Maria Adelaide é uma mulher munida duma alegria negra que é a de escapar ao amor da lei e às cumplicidades que a rodeiam. Tem nela um pouco de santidade e de malícia; um desdém pela ordem das coisas e um sentimento monstruoso de contar consigo própria. Ela não é um produto da sua época; é outra coisa que não delinquência-vítima. É a delinquência-ruptura, a única que não funciona para proveito do sistema. Surpreende-nos tanto que renunciamos a explicá-la a não ser sob “o ponto de vista dos fins futuros e a sua serenidade sistemática”.


"Estamos longe de livros como Sibila ou Fanny Owen, mas em Doidos e Amantes Agustina ainda nos consegue surpreender seja através do estilo narrativo seja por meio da história que nos conta. (...) Agustina enquadra todo o drama através de uma análise psicológica tendo em conta as correntes freudianas, muito em voga na época, e filosófica através de Kant, numa tentativa de perceber onde acaba a lucidez e começa a loucura."
Luís Robalo de Campos, Janeiro de 2006

Doidos e Amantes

de Agustina Bessa-Luís

Propriedade Descrição
ISBN: 9789726655053
Editor: Guimarães Editores
Data de Lançamento: outubro de 2005
Idioma: Português
Dimensões: 204 x 148 x 19 mm
Encadernação: Capa mole
Páginas: 256
Tipo de produto: Livro
Coleção: Agustina Bessa-Luís
Classificação temática: Livros em Português > Literatura > Romance
EAN: 9789726655053
Idade Mínima Recomendada: Não aplicável
Agustina Bessa-Luís

Agustina Bessa-Luís nasceu em Vila Meã, Amarante, a 15 de outubro de 1922. A sua infância e adolescência são passadas nesta região, cuja ambiência marcará fortemente a obra da escritora. Estreou-se como romancista em 1948, com a novela Mundo Fechado, tendo desde então mantido um ritmo de publicação pouco usual nas letras portuguesas, contando com mais de meia centena de obras.
Representou as letras portuguesas em numerosos colóquios e encontros internacionais e realizou conferências em universidades um pouco por todo o mundo.
Foi membro do conselho diretivo da Comunitá Europea degli Scrittori (Roma, 1961-1962).
Entre 1986 e 1987 foi diretora do diário O Primeiro de Janeiro (Porto). Entre 1990 e 1993 assumiu a direção do Teatro Nacional de D. Maria II (Lisboa) e foi membro da Alta Autoridade para a Comunicação Social.
Foi membro da Academie Européenne des Sciences, des Arts et des Lettres (Paris), da Academia Brasileira de Letras e da Academia das Ciências de Lisboa, tendo sido distinguida com a Ordem de Sant'Iago da Espada (1980), a Medalha de Honra da Cidade do Porto (1988) e o grau de "Officier de l'Ordre des Arts et des Lettres", atribuído pelo governo francês (1989).
É em 1954, com o romance A Sibila, que Agustina Bessa-Luís se impõe como uma das vozes mais importantes da ficção portuguesa contemporânea. Conjugando influências pós-simbolistas de autores como Raul Brandão na construção de uma linguagem narrativa onde o intuitivo, o simbólico e uma certa sabedoria telúrica e ancestral, transmitida numa escrita de características aforísticas, se conjugam com referências de autores franceses como Proust e Bergson, nomeadamente no que diz respeito à estruturação espácio-temporal da obra, Agustina é senhora de um estilo absolutamente único, paradoxal e enigmático.
Vários dos seus romances foram já adaptados ao cinema pelo realizador Manoel de Oliveira, de quem foi amiga e com quem trabalhou de perto. Estão neste caso Fanny Owen ("Francisca"), Vale Abraão e As Terras do Risco ("O Convento"), para além de "Party", cujos diálogos foram igualmente escritos pela escritora. É também autora de peças de teatro e guiões para televisão, tendo o seu romance As Fúrias sido adaptado para teatro e encenado por Filipe La Féria (Teatro Nacional D. Maria II, 1995).
Em Maio de 2002 Agustina Bessa-Luís é pela segunda vez contemplada com o Grande Prémio de Romance e Novela da Associação Portuguesa de Escritores (APE), relativo a 2001, com a obra "O Princípio da Incerteza - Jóia de Família", obra que Manoel de Oliveira adaptou ao cinema com o título "O Princípio da Incerteza", e que foi exibido dias antes da atribuição deste prémio, no Festival de Cannes.
Agustina Bessa-Luís foi distinguida com os prémios Vergílio Ferreira 2004, atribuído pela Universidade de Évora, pela sua carreira como ficcionista, e o Prémio Camões 2004, o mais alto galardão das letras em português.
Morreu dia 3 de junho de 2019, com 96 anos.

(ver mais)
Fanny Owen

Fanny Owen

10%
Relógio D'Água
18,00€ 10% CARTÃO
portes grátis
Doidos e Amantes

Doidos e Amantes

10%
Relógio D'Água
18,00€ 10% CARTÃO
portes grátis
A Sibila

A Sibila

10%
Relógio D'Água
20,00€ 10% CARTÃO
portes grátis
Fanny Owen

Fanny Owen

10%
Relógio D'Água
18,00€ 10% CARTÃO
portes grátis