Wook.pt - A Noite Sangrenta

A Noite Sangrenta

de José Brandão 

avaliação dos leitores ( 1 comentário)
7,57€
6,06€
Esgotado ou não disponível
  • Prefácio desta obra - Raul Rêgo
    José Brandão | 22-08-2008

    PREFÁCIO O meu amigo José Brandão entrou pelos caminhos da história e ainda bem. A história para ele não é uma visão panorâmica da paisagem social, económica e política, mas a narração e a apreciação dos escaninhos da vida pública e da vida de cada um dos cidadãos. Habituado a vivê-la, entrou a investigar a existência de nossos pais e avós. Nesses degraus bem conturbados assenta a nossa existência mofina de antes do 25 de Abril; e depois tivemos de construir inteiramente a sociedade que quisemos democrática e que esperemos não perca o rumo da democracia. Nós somos os herdeiros daqueles homens generosos que quiseram uma República de todos e que confiaram em todos, até nos seus piores inimigos, e acabaram por ser silenciados por eles; e quantos e quantos milhares não morreram no exílio, nos campos de concentração e no mutismo imposto... O 19 de Outubro de 1921 ficou na história com o rótulo de «Noite Sangrenta». É um dos pontos salientes dos dezasseis anos de República, nela correu o sangue de republicanos, a começar pelo homem que fora o personagem nevrálgico, a coluna firme, em torno da qual tinha sido feita a República, onze anos antes. Machado Santos, contra-almirante, encostado a uma esquina no Intendente, é executado como qualquer criminoso apanhado em flagrante delito, em terras bárbaras que não têm lei senão a da violência, a da contagem das espingardas. Selvagem? Sem dúvida o é um grupo de feras à solta, como se os leões tivessem fugido das jaulas do Coliseu e fossem por essa Lisboa fora, estraçalhando quem lhes aparecesse pela frente. Mas eu e o José Brandão vivemos ainda sociedade e ambiente bem mais selvagem, qual é o da violência, o da prisão e morte a arbítrio de quem manda estar consagrado na mesma lei. Os selvagens do 19 de Outubro de 1921 agiram contra a lei e responderiam de pois em tribunal, indo muitos deles para o degredo, a penitenciária. O Abel Olímpio e seus parceiros iriam sentar-se no banco dos réus; mas onde param os assassinos de Delgado e aqueles que, cumprindo a lei, nos iam buscar a casa de madrugada, sem que muitos a ela regressassem? Esses assassinos profissionais, torturadores ensaiados e aprovados, cumpriam a lei e por detrás deles estavam o Presidente da República, o Presidente do Conselho e os Ministros. Não se atire pela borda fora, como documento de somenos, a declaração do major Silva Pais no julgamento de após-25 de Abril de que ele se avistava, pelo menos, todas as semanas com o Presidente do Conselho e de tudo o informava. Terra sem rei nem roque, República de brandos costumes, contando com um nível de educação cívica que não era o nosso, é sem dúvida ambiente cálido e de fundões; mas sociedade em que as mesmas autoridades se tornam os carcereiros da opinião, da consciência e de todos os actos dos homens, é muito pior porque são elas que dão diplomas de assassinos às feras. É o assassínio legalizado. Quantos Dentes de Ouro não foram elogiados e não botaram crachá ao peito? Fazendo futurologia histórica, podemos imaginar o que teria sido o 19 de Outubro ocorrendo não em 1921, mas em 1931. Em primeiro lugar, os jornais, rádio, nada teriam dito, senão o que ao Governo conviesse dizer. Nem se saberia quantos tinham sido os mortos, nem quem os matara, nem quem os mandara matar. O 19 de Outubro não figuraria na história, por falta de documentação, nem a Torre do Tombo dele daria testemunho por não haver qualquer processo… Sociedade livre, a portuguesa de 1921, era uma democracia que tenteava os seus passos. Vítimas várias tinham caído, desde o rei D. Carlos e o príncipe D. Luís Filipe, ao Presidente Sidónio Pais, nos socalcos do caminho e nalguns casos os mesmos criminosos tinham pago com a própria vida a vida que a outros tinham tirado. O atentado político é fenómeno de todas as sociedades, mas mais frequente nas sociedades rígidas, vivendo a sua vida cívica sob a tensão, por falta de comunicabilidade entre cidadãos e autoridades, não emanando estas em geral da vontade e escolha dos cidadãos. Os filhos não se educam à bofetada, nem os políticos podem ter como norma «os safanões a tempo»; em geral, quem os dá é quem mais os merecia. Uma sociedade política, como uma família, exige a confiança de um homem no seu vizinho, como pai e filhos confiam uns nos outros, embora aquele tenha tido por vezes de usar da violência, quantas até para salvar os filhos do precipício. O que são os tribunais, as cadeias, o sistema policial, senão a prevenção contra o crime ou o julgamento do mesmo crime? Mas terra em que o juiz é também carcereiro, em que o político é quem dita a sentença, vive o ambiente primitivo que habitualmente denominamos de selvagem. O 19 de Outubro foi um episódio trágico na vida da República de que os jornais falaram livremente, na altura, e cujos autores responderam em tribunal. Infelizmente, quando a viúva de Carlos da Maia quis insistir na investigação, isso foi-lhe trancado. Porquê? O que temiam os autoritários, acobertados pela censura prévia, das revelações de Abel Olímpio, o Dente de Ouro, natural de Santa Comba da Vilariça, revés da terra onde nascera o padre Maximiliano Lima, que muitas vezes o levava e a outros marinheiros ao jornal monárquico e reaccionário A Voz, dando-lhes dinheiro? Porque não foram mais fundo as investigações, nem à mesma D. Berta Maia foi consentido que continuasse nos esforços para esclarecer por completo a morte de seu marido? Aí está um mistério que se adensa, mas cujos segredos podem levar a todas as hipóteses. Quem teve medo da verdade não foi a República democrática, não. Foram os que tinham conquistado o poder pela violência, à força das armas, contra a democracia, desencadeando a revolução no dia 28 de Maio de 1926, em Braga, enquanto na cidade dos arcebispos decorriam as sessões solenes, as missas, as procissões e peregrinações do Congresso Mariano Nacional. A diferença é como do dia para a noite. Na República democrática houve crimes e os criminosos responderam por seus actos e muitos entraram na penitenciária; na ditadura militar, clerical e capitalista, os criminosos oficiais eram condecorados pelo Presidente da República. Sirva de exemplo o nefando Seixas, condecorado pelo presidente Carmona, que não governou um só dia com liberdade de imprensa, tendo ele próprio feito a apologia de revoltas contra a mesma República. É o seminarista de Viseu, conferencista do CADC e do Congresso Eucarístico Nacional, em Braga, em 1924, várias vezes candidato a deputado católico e uma vez eleito, sem corresponder ao seu mandato por incapacidade de defrontar um homem cara a cara, como igual, no Parlamento e noutra qualquer tribuna e na imprensa, sendo censurado nas Novidades e depois passando ele a exercer a censura sobre todos os jornais portugueses, revoltando-se, em pensamento apenas, contra a censura que lhe era feita, mas com ela vivendo em todo o seu governo, o que foi ele senão o carcereiro de um país inteiro? Foi um chefe da censura e da Polícia. Só isso. Mais do que um nome, a República é um regime, e o regime português desde o dia 23 de Junho de 1926, em que os jornais vão à censura então instalada nos baixos do Teatro de S. Carlos e dirigida pelo capitão Pratas, não foi republicano. Tão monárquico e criminoso como o do tempo do senhor D. Miguel. Mais hipócrita por não deixar que o sangue ou o clamor das vítimas viesse a público. A violência das armas nunca é democrática, sejam elas as G3, sejam as pistolas ou punhais. Só a verdade é democrática e só com ela nos podemos entender, respeitando-nos e prezando-nos uns aos outros, independentemente das ideias de cada um. Os correligionários escolhem-se pelas ideias; mas os amigos escolhem-se pelo carácter. E nesse pluralismo que o homem se enriquece, tanto nas ideias como nos bens materiais. Como podemos nós dizer que alguém é rico ou pobre, senão comparando-o com outros – vizinhos, amigos, adversários? Ao espelho do passado, melhorando-o e emendando-o, deve nos em liberdade construir o presente. RAÚL REGO

A Noite Sangrenta
ISBN: 9789726260431Edição ou reimpressão: Editor: Publicações AlfaIdioma: PortuguêsDimensões: 140 x 190 x 10 mmPáginas: 244Tipo de Produto: Livro Coleção: Testemunhos Contemporâneos Classificação Temática: Livros em Português > Literatura > Outras Formas Literárias

Quem comprou também comprou

Insularidade e Continentalidade
20%
portes grátis
Edições Minerva Coimbra
8,00€
Arez
20%
portes grátis
Edições Colibri
12,01€
X
Coloque aqui o seu comentário
A Noite Sangrenta
a sua avaliação:
X
Obrigado pela sua contribuição!

O seu comentário foi enviado para validação.

Nota:
A WOOK reserva-se ao direito de não validar textos que não se foquem na análise do conteúdo do livro ou produto. Caso pretenda colocar alguma questão sobre o artigo deverá fazê-lo através do Centro de Contacto.
X
imagem
X
wook deve saber
Promoção válida para o dia 16-12-2017

Saiba mais sobre preços e promoções consultando as nossas condições gerais de venda.
X
alerta de artigo novamente disponível

De momento, este produto não se encontra disponível no fornecedor. Caso o mesmo volte a ficar disponível, poderemos notifica-lo, bastando para tal que nos indique o seu endereço de email.

X
O seu pedido foi registado com sucesso.
Caso este produto fique disponível, será alertado por email
X
wook deve saber
Este eBook pode ser lido em qualquer dispositivo com browser, sem necessidade de fazer o download de qualquer software ou de possuir qualquer tipo de equipamento específico de leitura.
Após a compra, o eBook é disponibilizado de imediato na sua Biblioteca Wook, onde poderá ler e organizar todos os seus eBooks e à qual poderá aceder a partir do site WOOK ou da nossa aplicação (APP).
A versão web da Biblioteca Wook está otimizada para as versões mais recentes dos browsers Google Chrome, Internet Explorer, Safari, Firefox e Edge.
Para otimizar o acesso à sua Biblioteca Wook e ter acesso à opção de leitura em modo offline (sem ligação à internet) deverá instalar a nossa APP de leitura:
X
wook deve saber
Este eBook está encriptado com DRM (Digital rights management) da Adobe e é aberto na aplicação de leitura Adobe Digital Editions (ADE) ou em outras aplicações compatíveis.
Após a compra, o eBook é de imediato disponibilizado na sua área de cliente para efetuar o download.

Para ler este eBook num computador instale a aplicação Adobe Digital Editions.
Antes de instalar o Adobe Digital Editions, veja aqui o vídeo de ajuda:
Para ler este eBook em tablet e smartphone instale a aplicação Adobe Digital Editions para IOS ou Android.
X
wook deve saber
O PDF é um formato de arquivo digital desenvolvido pela Adobe e que disponibiliza uma imagem estática das páginas do livro e, independentemente do dispositivo de leitura, não redimensiona o texto ao tamanho do ecrã do dispositivo.
X
wook deve saber
O ePUB é um formato que proporciona uma excelente experiência de leitura dado que permite o redimensionamento do texto ao ecrã do dispositivo de leitura, aumentar ou diminuir o tamanho do texto, alterar o tipo de fonte, entre outras funcionalidades
X
não encontrou wook procura?
Nós procuramos por si!

A sua identificação:

A identificação do livro que procura:

O seu pedido foi enviado com sucesso!
X
envie esta lista aos seus amigos
lista de desejos

A identificação da pessoa a quem quer enviar esta lista:

X
A sua lista de compras foi enviada com sucesso para .
X
selecione o livro adotado:
X
wook deve saber


Oferta de portes válida para entregas em Portugal Continental, em encomendas de valor igual ou superior a 15€ e devolução, em cartão Wookmais, do valor debitado de portes em encomendas de valor inferior a 15€, para envios em CTT Expresso ou Rede Pickup.

Oferta de Portes válida para entregas nos Açores e Madeira, em todas as encomendas enviadas por CTT Expresso Clássico. Ofertas de portes válidas para encomendas até 10 kg.

Promoção válida para encomendas de livros não escolares registadas até 31/12/2017. Descontos ou vantagens não acumuláveis com outras promoções.
X
wook deve saber


A devolução do valor dos portes de envio, em cartão Wookmais, será efetuada 18 dias após a faturação. Oferta válida para uma encomenda com entrega em Portugal.
X
wook deve saber


EM STOCK
Se a sua encomenda for constituída apenas por produtos com esta disponibilidade será enviada em 24 horas.

ENVIO ATÉ X DIAS
Esta disponibilidade indica que o produto não se encontra em stock e que demorará x dias úteis a chegar do fornecedor. Estes produtos, especialmente as edições mais antigas, estão sujeitos à confirmação de preço e disponibilidade de stock no fornecedor.

PRÉLANÇAMENTO
Os produtos com esta disponibilidade têm envio previsto a partir da data de lançamento.

DISPONIBILIDADE IMEDIATA
Tipo de disponibilidade associada aos eBooks, que são disponibilizados de imediato, após o pagamento da encomenda, na sua biblioteca.

Para calcular o tempo de entrega de uma encomenda deverá somar à disponibilidade mais elevada dos artigos que está a encomendar o tempo de entrega associado ao tipo de envio escolhido.

X
a sua lista de desejos encontra-se vazia
Adicione à sua lista de desejos todos os produtos que deseja comprar mais tarde, envie-a aos seus amigos antes do seu aniversário, Natal ou outras datas especiais - quem sabe se eles o surpreendem!
Seja informado sobre promoções destes produtos
X
Ocorreu um erro
Por favor tente novamente mais tarde.
X
atingiu o limite máximo de dispositivos autorizados
Por favor, aceda à area de cliente para gerir os dispositivos ativos.
X
Temos pena de o ver partir!
Pode voltar a subscrever as nossas newsletters a qualquer momento, na sua área de cliente em "Newsletters".
Junte-se à comunidade wook nas redes sociais:
X
wook deve saber


WOOK É O CHECKOUT EXPRESSO?
Esta modalidade de checkout permite-lhe comprar em dois cliques, seguindo diretamente para a confirmação de encomenda.

COMO FUNCIONA?
A encomenda é pré-preenchida com os dados que habitualmente utiliza - morada faturação, morada de entrega, forma de envio e tipo de pagamento. Para finalizar o processo, necessita apenas de confirmar os dados.

POSSO UTILIZAR OS MEUS VALES?
Vales e outros descontos que se encontrem no prazo de validade, serão igualmente considerados automaticamente na encomenda.

CONSIGO ALTERAR OS DADOS DA ENCOMENDA?
Sim. Antes de confirmar, tem ainda a possibilidade de alterar todos os dados e opções de compra.

EXCEÇÕES
O botão do Checkout Expresso só será visível se:
  • Selecionar previamente, na Área Cliente, as moradas habituais de envio e de faturação;
  • Associar uma conta wallet, quando a morada de envio selecionada é no estrangeiro;
  • Não incluir artigos escolares na encomenda.


X
recomendar
A Noite Sangrenta de José Brandão 
Para recomendar esta obra a um amigo basta preencher o seu nome e email, bem como o nome e email da pessoa a quem pretende fazer a sugestão. Se quiser pode ainda acrescentar um pequeno comentário, de seguida clique em enviar o pedido. A sua recomendação será imediatamente enviada em seu nome, para o email da pessoa a quem pretende fazer a recomendação.

A sua identificação:

A identificação da pessoa a quem quer recomendar este titulo:

Se pretende enviar esta recomendação para mais de um endereço de e-mail, separe na caixa anterior os endereços com ",". Ex: abc@abc.pt,xyz@xyz.pt

X
A sua recomendação foi enviada com sucesso!
X
Ocorreu um erro a obter a informação! Por favor tente mais tarde.