Wook parece mentira: curiosidades em que ninguém acredita

A propósito do dia 1 de Abril, a equipa WOOK reuniu 7 factos e curiosidades sobre o mundo literário que mais parecem mentira.
Vale a pena ler!
Factos que parecem mentira

#1 – Ernest Hemingway, o ladrão de urinóis
É mesmo verdade. Ernest Hemingway “tomou posse” do urinol do bar Sloppy Joe’s porque, segundo o autor, já lá teria esbanjado (pissed away, para ser mais exato) uma quantidade absurda de dinheiro. Hoje pode ver o urinol, agora transformado em fonte, na casa-museu Ernest Hemingway.

#2 – Quanto mais prima…
E quando já nada sobre Edgar Allan Poe nos parece surpreender eis que surge o seu certificado de casamento… com a sua própria prima… de 13 anos! Caramba, Poe!

#3 – William quê?
E por falar em casamentos, sabemos que William Shakespeare casou com Anne Hathaway. Mas e se tal não for verdade? Afinal de contas, no certificado de casamento do casal pode-se ler no nome do noivo: William Shagspeare. A história fica ainda mais confusa porque o nome da noiva difere de documento para documento (Anne Whateley of Temple Grafton num e Anne Hathwey of Stratford noutro), o que, ainda hoje, é motivo para especulação sobre a vida privada do autor.

#4 – William Faulkner e o U intrometido
Já que estamos a falar de nomes, William Faulkner, um nome familiar a muitos leitores, é o resultado de uma gralha que o autor nunca se deu ao trabalho de corrigir. O seu nome real é mesmo William Falkner!

#5 – Britney Spears, Taylor Swift… Dan Brown
Sabia que Dan Brown foi outrora um cantor pop? O nome do seu álbum a solo? Angels and Demons.

#6 – «O Escafandro e a Borboleta», um livro escrito num abrir e fechar de olhos. Literalmente.
Brincadeiras à parte a história por detrás do livro é um exemplo de força de vontade e resiliência. Jean-Dominique Bauby tinha sofrido um AVC, saído de um coma e estava completamente paralisado com síndrome do encarceramento. Mas isso não o impediu de “ditar” todo o livro, letra a letra, durante 10 meses, piscando o seu olho esquerdo. Infelizmente, o autor morreu 2 dias depois da sua publicação com pneumonia.

#7 – D.H. Lawrence e o Shinrin Yoku extremo
Entre escrever, ser insultado, perseguido e exilado (ainda que voluntariamente), D.H. Lawrence, como todos nós, precisava de inspiração. O seu método era… diferente e consistia, basicamente, em subir nu a árvores. Digam o que disserem, funcionou.
Inspire-se, pregue umas belas partidas e partilhe-as com a Equipa Wook com a hashtag #diadasmentiraswook.
Fotos em cima das árvores também serão aceites, dentro do possível!

Wook está a dar

Subscreva!