10% de desconto

Zoologia Bizarra

de Ferreira Gullar

editor: Editorial Caminho, fevereiro de 2012
Ferreira Gullar - Vencedor do Prémio Camões 2010
Plano Nacional de Leitura
Livro recomendado para apoio a projetos relacionados com as artes nos 3º, 4º, 5º e 6º anos de escolaridade.

Bichos criados pelo acaso.
Bichos que existem. Bichos que não existem.
Uma lhama bailarina, um pássaro tenista, um cachorro-lagartixa, um dragão bonzinho fazem parte desta zoologia bizarra, criada por Ferreira Gullar a partir de recortes e colagens, em um exercício de pura criatividade, liberdade, humor e, como não poderia deixar de ser, poesia.
Pequenas histórias e finas observações dão a estes bichos curiosos vida própria.
Mergulhar no encantamento desta zoologia é dividir descobertas, se surpreender, dar asas à imaginação.
Cada um descobrirá um bicho à sua maneira. E passará a fazer parte desta divertida aventura de arte e invenção.

Zoologia Bizarra

de Ferreira Gullar

Propriedade Descrição
ISBN: 9789722125475
Editor: Editorial Caminho
Data de Lançamento: fevereiro de 2012
Idioma: Português
Dimensões: 250 x 209 x 11 mm
Páginas: 88
Tipo de produto: Livro
Classificação temática: Livros em Português > Infantis e Juvenis > Poemas e Rimas
EAN: 9789722125475
e e e e E

Interessante

Brígida

Este é um livro interessante que nos mostra a técnica do acaso, com materiais recicláveis como desperdícios de papel. É uma técnica interessante de ser explorada com as crianças.

Ferreira Gullar

Poeta e homem de letras brasileiro, Ferreira Gullar nasceu com o nome de José Ribamar Ferreira a 10 de setembro de 1930 na cidade de São Luís, a capital do estado do Maranhão, e morreu a 4 de dezembro de 2016, no Rio de Janeiro. Filho de um comerciante e irmão de dez outras crianças, iniciou os seus estudos aos sete anos de idade no Jardim Decroli. A partir dos nove passou a receber educação formal através de professores particulares e, mais tarde, foi inserido num colégio, de onde fugiu eventualmente.
Na tentativa de mitigar o problema disciplinar da criança, os pais tomaram a decisão de a matricular, em 1941, no Colégio de São Luís de Gonzaga. Remediando o seu comportamento, manteve-se um aluno recomendável durante algum tempo. Não obstante o facto de ter sido admitido depois no Ateneu Comercial Teixeira Mendes com honras e louvores, tornou a dispersar-se, reprovando um ano. Transferiram-no então para a Escola Técnica de São Luís, instituição de ensino menos exigente e mais liberal.
Foi salvo pela descoberta da poesia: apaixonando-se com apenas treze anos de idade por uma vizinha, renunciou ao companheirismo das brincadeiras de criança para se encafuar nas bibliotecas públicas, em busca de inspiração para a feitura dos seus versos de amor. Passou em consequência a obter resultados excecionais na disciplina de Português, graças sobretudo ao seu talento para as composições.
Terminou o ensino secundário em 1948, ano em que não só publicou o seu primeiro poema num jornal local, como começou também a trabalhar, quer como locutor radiofónico quer como colaborador num outro órgão da comunicação social. No ano seguinte publicou o seu primeiro livro, uma coletânea de poemas intitulada Um Pouco Acima do Chão (1949).
Em 1950 foi testemunha de um acontecimento trágico. Durante um comício de um candidato contra o regime de ditadura, assistiu ao assassinato de um operário durante uma carga policial. Recusando-se a ler a notícia ao microfone da rádio estatal em que trabalhava, foi despedido, mas logo convidado a juntar-se à digressão eleitoral do político em questão. Ainda em meados do mesmo ano, saiu vencedor de um concurso literário de relevo.
Sabendo-se persona non grata pelas autoridades do Maranhão, decidiu mudar-se para o Rio de Janeiro em 1951. Passou a colaborar com diversas publicações, não só como redator, mas também na qualidade de revisor. Contraindo depois o bacilo da tuberculose, foi obrigado a um período de convalescença de cerca de três meses.
Em 1954 publicou uma das suas obras mais conhecidas, a compilação de poemas Luta Corporal e, em 1959, deu um passo importante ao surgir com o Manifesto Neo-Concreto, no qual procurava qualificar a sua própria poesia. Juntando-se a alguns artistas plásticos, chegou a apresentar instalações interactivas, combinando a palavra com a pintura e a escultura.
Em 1961 foi nomeado diretor da Fundação Cultural de Brasília e, no âmbito das suas funções, iniciou a construção do Museu de Arte Popular. No ano seguinte publicou João Boa-Morte, Cabra Marcado Para Morrer (1962) e Quem Matou Aparecida (1962).
Tomando contacto com o movimento estudantil brasileiro, foi gradualmente radicalizando as suas opiniões políticas até que, em 1964, se afiliou no Partido Comunista. Preso pelos esbirros da ditadura em 1968, juntamente com Gilberto Gil e Caetano Veloso, partiu para o exílio em 1971, primeiro rumo à ex-União Soviética, logo para Santiago do Chile, Lima e Buenos Aires. Regressando ao Brasil apenas em meados de 1977, foi preso novamente. Liberto após muitas e demoradas diligências tomadas por parte dos seus amigos, Ferreira Gullar pôde retomar as suas actividades poéticas e jornalísticas.
Após o aparecimento das obras compostas no exílio e, muitas delas impressas no estrangeiro, como Dentro da Noite Veloz (1975) e Poema Sujo (1976), o autor publicou Na Vertigem do Dia (1980), Barulhos (1987), O Formigueiro (1991) e Muitas Vozes (1999), entra outras de diversos géneros.
Em 1992 foi nomeado director do Instituto Brasileiro de Arte e Cultura, cargo que ocupou até 1995. A sua vida e a sua obra foram muitas vezes agraciadas, tendo sido homenageado com vários prémios literários internacionais, com particular destaque para o Prémio Príncipe Claus da Holanda e para o Prémio Camões, em 2010.
Ferreira Gullar. In Infopédia [Em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2010.

(ver mais)
Relâmpagos

Relâmpagos

10%
Cosac Naify
48,76€ 10% CARTÃO
portes grátis
A Linha do Horizonte

A Linha do Horizonte

10%
Editorial Caminho
11,90€ 10% CARTÃO
Salta para o Saco

Salta para o Saco

10%
Editorial Caminho
10,50€ 10% CARTÃO