Wook.pt - Cemitério de Pianos

Cemitério de Pianos

de José Luís Peixoto 

avaliação dos leitores ( 5 comentários)
18,80€
10%
Portes
Grátis
em stock
10% de desconto em CARTÃO
Em stock - Envio imediato
portes grátis
Sinopse

Cemitério de Pianos é o quarto romance de José Luís Peixoto. Os narradores, pai e filho, desvendam a história da família, que vive em Lisboa, e falam da morte: a morte como destino irremediável, ciclo ininterrupto, renovação e elo entre gerações.

Críticas de imprensa

"Ternura, morte e renovação - eis as notas que pautam o mais recente livro de José Luís Peixoto, um romance cheio de música e ritmos peculiares sentidos na pontuação e construção das frases; palavras que respiram, correm e desfalecem ao compasso da vivência das personagens, numa melodia que ora comove e revolta, ora nos faz sorrir e angustia (...) Não é um romance fatalista. É o ciclo redentor da vida escrito sem pudores. Muito bem escrito."
Ana Morgado

«A escrita de José Luís Peixoto é a um tempo fresca, ágil e envolvente e, ao mesmo tempo, comporta toda uma herança literária universal. Estamos diante de um escritor maduro. Um admirável narrador português.»
Luís Sepúlveda

«Creio estarmos perante um grande ficcionista e, também, um grande prosador da língua portuguesa, capaz de extraordinárias notações do real, de ritmos inovadores e até de uma relação estrutural com as formas musicais que não têm precedentes entre nós.»
Vasco Graça Moura

«O fantástico é contado com a naturalidade do quotidiano. A crónica e a fábula sobrepõem-se, como as histórias que contam ou presenciam ou calam as personagens de William Faulkner ou de Juan Rulfo.»
Antonio Muñoz Molina

«Um valor seguro da literatura portuguesa, com grande sentido de linguagem poética e grande domínio da língua portuguesa.»
Manuel Vázquez Montálban

Excertos
"na terra do quintal. Empilhava tábuas que eram restos de madeira que o meu pai trazia da oficina e fazia casinhas. A cadela passava devagar, com os olhos castanhos perdidos no chão. Debaixo de uma laranjeira, meio enterrado, estava um pedaço comprido de arame enferrujado. Acredito que consigo lembrar-me do momento em que o meu corpo de quatro anos se levantou para, com as duas mãos, puxar o arame da terra. Vejo esse instante com a mesma falta de nitidez com que, agora, olho para o lado e distingo copas de árvores, misturas de folhas, a sucederem-se à minha passagem. Como uma imagem de cores líquidas a dissolverem-se umas sobre as outras. Naquele dia, voltei a sentar-me junto das tábuas empilhadas, que eram as casas que tinha construído. Segurava o arame e comecei a encontrar-lhe formas desajeitadas. Na minhas mãos, havia riscos de terra e ferrugem. Ouvi os movimentos da porta da rua a abrir-se. Era o meu irmão a sorrir. Tinha as roupas sujas de serradura porque era aprendiz do nosso pai e estava a voltar do trabalho. Disse-me qualquer cumprimento antes de reparar que eu tinha o arame na mão. Os canteiros que a minha mãe tratava com um sacho floriam atrás dele. O Simão tinha dez anos e era um rapaz. Às vezes, punha as mãos nos bolsos e ria-se. Quando me lembro dele nos dias que passaram antes daquele dia, a primeira imagem que me surge é ele de mãos nos bolsos, a rir-se. Naquela tarde, trazia a camisa fora das calças. Quando me viu com o arame na mão, deu três passos rápidos na minha direcção. A partir daqui, foi tudo rápido, mas agora, ao recordar-me, é tudo muito lento. As mãos do Simão eram maiores do que as minhas e tentavam tirar-me o arame. Não sei quais foram as palavras que escolheu para me dizer que não devia brincar com arames porque, antes de poder entendê-las, talvez por reflexo, talvez porque naquele momento me pareceu que devia ser assim, talvez porque achava que eu também sabia aquilo que devia fazer, talvez por nenhum motivo, por nenhum motivo, não larguei logo o arame. Continuei a segurá-lo com as duas mãos. Sentia a força do meu irmão no arame ferrugento que apertava com toda a força na palma das minhas mãos. E foi muito rápido, sei que foi um momento, mas agora parece-me que foi uma hora parada. Todos os movimentos divididos. Tudo muito devagar. A ponta do arame avançou na direcção da cara do meu irmão. Como se existisse uma linha recta a mostrar-lhe o caminho. A ponta enferrujada do arame avançou. O seu rosto. Num só movimento, a ponta do arame tocou-lhe na parte branca e húmida do olho direito, premiu-a ligeiramente e afundou-se definitiva num rasgão. O meu irmão largou o arame, afastou a cara e levou as duas mãos ao olho direito. Esse foi um momento de silêncio absoluto. Eu tinha quatro anos e sabia que tinha acontecido algo terrível. O meu irmão estava agarrado à cara e fazia sons de dor como eu nunca tinha ouvido. Não eram gritos. Eram sons de uma dor que o destruía devagar. Eu tinha quatro anos e segurava ainda o arame. Esse foi o momento em que a nossa mãe nos viu através do vidro da janela da cozinha. Esse momento terminou quando a nossa mãe saiu a correr pela porta, a perguntar: o que é que aconteceu?, o que é que aconteceu? Eu não conseguia dizer nada. O meu irmão segurava a cara e, atrás das suas mãos, nasciam fios de sangue que lhe escorriam pelo braço e pela face e pelo pescoço. Eram fios de sangue muito vivo que lhe desciam pelos pulsos, lhe atravessavam a pele lisa e clara do interior dos braços e lhe pingavam pelo bico do cotovelo. A nossa mãe, que não imaginava, aproximou-se dele, e disse-lhe: tem calma, tem calma. Sem imaginar, a tentar uma voz serena de mãe, disse-lhe: deixa lá ver o que é que aconteceu. O Simão, ainda a querer acreditar que podia haver uma possibilidade de não ter acontecido o que aconteceu, afastou as mãos lentamente. No seu rosto ensanguentado, eu e a minha mãe vimos a maneira como o lado direito da sua cara era um buraco de sangue onde estava a pele branca e vazia do olho, com o desenho circular e espalmado da íris, e que, entre o sangue, lhe escorria sobre o rosto a matéria espessa e viscosa, como a clara de um ovo, que estava antes no interior do olho. No lado esquerdo da cara do Simão, o outro olho, magoado e inocente, esperava a reacção da minha mãe. Eu tinha quatro anos e segurava ainda o arame. Larguei-o quando a minha mãe não conseguiu parar o grito amargurado que a rasgou. O meu irmão voltou a tapar o rosto. E as minhas irmãs entraram no quintal a correr pela porta da cozinha. E entraram vizinhos a correr pela porta da rua. A minha mãe gritava com toda a força da sua garganta. Alguém foi chamar o meu pai à oficina. Alguém me agarrou pela cintura, me levantou da terra do quintal e me levou para a cozinha. Entre os corpos das pessoas que amparavam a minha mãe, entre as minhas irmãs agarradas uma à outra a chorarem, entre as pessoas que rodeavam o meu irmão com toalhas limpas e, logo a seguir, encharcadas de sangue, eu tinha quatro anos e era devorado por um medo como lâminas. Estava em silêncio, parado, com os olhos abertos e muito grandes, a ser devorado por um medo como lâminas. Num momento, o meu pai entrou na cozinha. Ninguém poderia pará-lo. Apenas se ouvia a sua respiração. Passou entre as pessoas, segurou o meu irmão por um braço e, com os homens que estavam na cozinha a seguirem-nos, foram para o hospital. Quando saíram, era de noite. Assim que a porta bateu a fechar-se, ficou apenas a aflição da minha mãe e das minhas irmãs, seguida pelas vozes arrastadas das vizinhas que tentavam consolá-las. Foi uma dessas vizinhas que, entre as sombras das outras, riscou um fósforo e acendeu o candeeiro de petróleo sobre a mesa. A partir daí, enquanto o choro da minha mãe e das minhas irmãs ia enfraquecendo, as vizinhas iam-se despedindo e saindo. Ficámos sozinhos na cozinha: as pedras do chão da cozinha, a mesa e os bancos de madeira. Através da luz e das sombras do candeeiro de petróleo, a minha mãe e as minhas irmãs tinham os olhos abertos de encontro a uma imagem que só elas podiam ver. Passou um tempo frio de guinchos e de lâminas. Ao fim do serão, o meu pai e o Simão chegaram em silêncio. O meu irmão tinha o lado direito da cabeça envolto em ligaduras que lhe cobriam o olho. Ninguém disse nada. Fomos dormir. Essa noite foi como as noites de muitos meses que se seguiram. Havia um peso fundo dentro de nós a puxar-nos para o nosso interior mais negro. Passaram meses. O meu irmão"

  • Ressurreição da literatura
    EN | 13-01-2016

    É uma das obras primas de JLP. Indispensável a sua leitura. Escrito no seu estilo característico, que a cada livro é diferente e surpreendente. Mas sabemos, ao ler, que é uma obra de JLP. Mais uma vez carregado de sentimento e de intensidade. Pessoas comuns, com sentimentos comuns, que se transformam em personagens gigantescas e nos fazem ansiar por cada frase.

  • *****
    nanda | 09-06-2014

    belíssimo. josé luís peixoto tem o condão de fazer disparar imagens com um fulgor incomparável. recomendo vivamente. poesia em prosa.

  • Agradável
    Cátia Sobral | 08-05-2014

    Não desilude, vale a pena ser lido. Deixa-nos presos ao enredo ansiando pelo seu fim!

  • Cemitério de pianos
    A Ferreira | 08-05-2014

    Conheço a extraordinária obra "Uma casa na Escuridão". Ainda não iniciei esta leitura mas escolhi este livro pelas excelentes referencias que obtive de outros leitores e sendo uma obra mais "madura" que "Uma casa na Escuridão" anseio e prevejo uma obra de valor acrescentado.

  • Lindíssimo
    Andreia C. | 08-10-2013

    Poético. De uma sensibilidade profunda e de uma inteligência incomparável. O meu primeiro livro de José Luís Peixoto que me fez querer conhecer todos os outros.

  • ver menos comentários ver mais comentários
Cemitério de Pianos
ISBN: 9789725648230Edição ou reimpressão: Editor: Quetzal EditoresIdioma: PortuguêsDimensões: 150 x 230 mm Encadernação: Capa mole Páginas: 288Tipo de Produto: Livro Classificação Temática: Livros em Português > Literatura > Romance
X
Coloque aqui o seu comentário
Cemitério de Pianos
a sua avaliação:
X
Obrigado pela sua contribuição!

O seu comentário foi enviado para validação.

Nota:
A WOOK reserva-se ao direito de não validar textos que não se foquem na análise do conteúdo do livro ou produto. Caso pretenda colocar alguma questão sobre o artigo deverá fazê-lo através do Centro de Contacto.
X
imagem
X
wook deve saber
Promoção válida para o dia 28-07-2017

Saiba mais sobre preços e promoções consultando as nossas condições gerais de venda.
X
alerta de artigo novamente disponível

De momento, este produto não se encontra disponível no fornecedor. Caso o mesmo volte a ficar disponível, poderemos notifica-lo, bastando para tal que nos indique o seu endereço de email.

X
O seu pedido foi registado com sucesso.
Caso este produto fique disponível, será alertado por email
X
wook deve saber
Este eBook pode ser lido em qualquer dispositivo com browser, sem necessidade de fazer o download de qualquer software ou de possuir qualquer tipo de equipamento específico de leitura.
Após a compra, o eBook é disponibilizado de imediato na sua Biblioteca Wook, onde poderá ler e organizar todos os seus eBooks e à qual poderá aceder a partir do site WOOK ou da nossa aplicação (APP).
A versão web da Biblioteca Wook está otimizada para as versões mais recentes dos browsers Google Chrome, Internet Explorer, Safari, Firefox e Edge.
Para otimizar o acesso à sua Biblioteca Wook e ter acesso à opção de leitura em modo offline (sem ligação à internet) deverá instalar a nossa APP de leitura:
X
wook deve saber
Este eBook está encriptado com DRM (Digital rights management) da Adobe e é aberto na aplicação de leitura Adobe Digital Editions (ADE) ou em outras aplicações compatíveis.
Após a compra, o eBook é de imediato disponibilizado na sua área de cliente para efetuar o download.

Para ler este eBook num computador instale a aplicação Adobe Digital Editions.
Antes de instalar o Adobe Digital Editions, veja aqui o vídeo de ajuda:
Para ler este eBook em tablet e smartphone instale a aplicação Adobe Digital Editions para IOS ou Android.
X
wook deve saber
O PDF é um formato de arquivo digital desenvolvido pela Adobe e que disponibiliza uma imagem estática das páginas do livro e, independentemente do dispositivo de leitura, não redimensiona o texto ao tamanho do ecrã do dispositivo.
X
wook deve saber
O ePUB é um formato que proporciona uma excelente experiência de leitura dado que permite o redimensionamento do texto ao ecrã do dispositivo de leitura, aumentar ou diminuir o tamanho do texto, alterar o tipo de fonte, entre outras funcionalidades
X
recomendar
Cemitério de Pianos de José Luís Peixoto 
Para recomendar esta obra a um amigo basta preencher o seu nome e email, bem como o nome e email da pessoa a quem pretende fazer a sugestão. Se quiser pode ainda acrescentar um pequeno comentário, de seguida clique em enviar o pedido. A sua recomendação será imediatamente enviada em seu nome, para o email da pessoa a quem pretende fazer a recomendação.

A sua identificação:

A identificação da pessoa a quem quer recomendar este titulo:

Se pretende enviar esta recomendação para mais de um endereço de e-mail, separe na caixa anterior os endereços com ",". Ex: abc@abc.pt,xyz@xyz.pt

X
A sua recomendação foi enviada com sucesso!
X
Ocorreu um erro a obter a informação! Por favor tente mais tarde.
X
não encontrou wook procura?
Nós procuramos por si!

A sua identificação:

A identificação do livro que procura:

O seu pedido foi enviado com sucesso!
X
envie esta lista aos seus amigos
lista de desejos

A identificação da pessoa a quem quer enviar esta lista:

X
A sua lista de compras foi enviada com sucesso para .
X
selecione o livro adotado:
X
wook deve saber


Oferta de portes válida para entregas em Portugal Continental, em encomendas de valor igual ou superior a 15€ e para envios em CTT Expresso Dia ou Rede Pickup.
Devolução do valor dos portes em cartão Wookmais para encomendas de valor inferior a 15€.

Nos envios para as ilhas dos Açores e da Madeira, 30% de desconto no envio em CTT Expresso Dia para encomendas de valor superior a 15€ ou devolução daquele valor em cartão Wookmais para encomendas inferiores a 15€. Tipos de envio disponíveis para encomendas até 10 kg.

Promoção válida para encomendas de livros não escolares registadas até 31/12/2017. Descontos ou vantagens não acumuláveis com outras promoções.
X
wook deve saber


A devolução do valor dos portes de envio, em cartão Wookmais, será efetuada 18 dias após a faturação. Oferta válida para uma encomenda com entrega em Portugal.
X
wook deve saber


EM STOCK – ENVIO IMEDIATO
Se a sua encomenda for constituída apenas por produtos com esta disponibilidade e for paga até às 16 horas de um dia útil, será processada de imediato e enviada para o correio no próprio dia. Encomendas pagas após as 16 horas passarão para o processamento do dia útil seguinte. Esta disponibilidade apenas é garantida para uma unidade de cada produto e até 15 minutos após o registo da encomenda.

ENVIO ATÉ X DIAS
Esta disponibilidade indica que o produto não se encontra em stock e que demorará x dias úteis a chegar do fornecedor. Estes produtos, especialmente as edições mais antigas, estão sujeitos à confirmação de preço e disponibilidade de stock no fornecedor.

PRÉLANÇAMENTO
Os produtos com esta disponibilidade têm envio previsto a partir da data de lançamento.

DISPONIBILIDADE IMEDIATA
Tipo de disponibilidade associada aos eBooks, que são disponibilizados de imediato, após o pagamento da encomenda, na sua biblioteca.

Para calcular o tempo de entrega de uma encomenda deverá somar à disponibilidade mais elevada dos artigos que está a encomendar o tempo de entrega associado ao tipo de envio escolhido.

X
a sua lista de desejos encontra-se vazia
Adicione à sua lista de desejos todos os produtos que deseja comprar mais tarde, envie-a aos seus amigos antes do seu aniversário, Natal ou outras datas especiais - quem sabe se eles o surpreendem!
Seja informado sobre promoções destes produtos
X
Ocorreu um erro
Por favor tente novamente mais tarde.
X
atingiu o limite máximo de dispositivos autorizados
Por favor, aceda à area de cliente para gerir os dispositivos ativos.
X
Temos pena de o ver partir!
Pode voltar a subscrever as nossas newsletters a qualquer momento, na sua área de cliente em "Newsletters".
Junte-se à comunidade wook nas redes sociais:
X
wook deve saber


WOOK É O CHECKOUT EXPRESSO?
Esta modalidade de checkout permite-lhe comprar em dois cliques, seguindo diretamente para a confirmação de encomenda.

COMO FUNCIONA?
A encomenda é pré-preenchida com os dados que habitualmente utiliza - morada faturação, morada de entrega, forma de envio e tipo de pagamento. Para finalizar o processo, necessita apenas de confirmar os dados.

POSSO UTILIZAR OS MEUS VALES?
Vales e outros descontos que se encontrem no prazo de validade, serão igualmente considerados automaticamente na encomenda.

CONSIGO ALTERAR OS DADOS DA ENCOMENDA?
Sim. Antes de confirmar, tem ainda a possibilidade de alterar todos os dados e opções de compra.

EXCEÇÕES
O botão do Checkout Expresso só será visível se:
  • Selecionar previamente, na Área Cliente, as moradas habituais de envio e de faturação;
  • Associar uma conta wallet, quando a morada de envio selecionada é no estrangeiro;
  • Não incluir artigos escolares na encomenda.