A Origem da Tragédia

de Friedrich Nietzsche

editor: Publicações Europa-América
VENDA O SEU LIVRO i
Dedicada a Richard Wagner, A Origem da Tragédia, de Friedrich Nietzche, fez furor logo na altura da primeira edição. Corria o ano de 1871. Desde então, tornou-se uma das obras seminais da cultura europeia.

A primeira obra de Nietzche exemplifica magnificamente o entusiasmo do autor pela literatura grega, especialmente a tragédia, por Schponhauer e pela ópera de Wagner Tristão e Isolda.

A ideia central é a de que "a existência e o mundo só são justificáveis como um fenómeno estético". Elaborando a sua célebre distinção entre o espírito apolínio e o dionisíaco, o autor interroga-se porque razão fazemos derivar o prazer da arte trágica, e qual é relação entre as nossas experiências de sofrimento na vida e na arte.

A Origem da Tragédia

de Friedrich Nietzsche

ISBN: 9789721055766
Editor: Publicações Europa-América
Idioma: Português
Dimensões: 115 x 175 x 7 mm
Encadernação: Capa mole
Páginas: 142
Tipo de produto: Livro
Coleção: Livros de Bolso / Europa América
Classificação temática: Livros em Português > Ciências Sociais e Humanas > Filosofia
EAN: 5601072556652
Idade Mínima Recomendada: Não aplicável
e e e E E

Os Helenos e a suas paixões.

Joël Inácio

Neste ensaio, Nietzsche expõe de forma simples e acentuada a origem da tragédia grega através da musicalidade. Distinguindo elaboradamente o espírito apolíneo e o dionisíaco. Demonstra de forma arrogante a sua aversão ao legado do filósofo Sócrates. Condena o cristianismo o que é a sua marca registrada.

Friedrich Nietzsche

Um dos filósofos emblemáticos dos finais século XIX, nasceu em 1844, em Röcken, e morreu em 1900, atacado pela demência, em Weimar. As suas reflexões caracterizam-se por uma violenta crítica aos valores da cultura ocidental.

Com efeito, para Nietzsche, a decadência do Ocidente começou quando o discurso filosófico, depois de Sócrates, veio afastar a síntese que se realizara na tragédia grega, substituindo a harmonia apolíneo/dionisíaco (representando a ambivalência da essência humana, dividida entre a desmesura passional e a medida racional) por um discurso das aparências, enganador e ilusório, que transforma a realidade autêntica em metáforas ocas. Esse processo de desvitalização encontrará o apogeu com a afirmação da moral judaico-cristã, «moral de escravos», reflexo de uma maquinação hipócrita de indivíduos débeis, ignóbeis e vis numa tentativa de enfraquecer e dominar pela astúcia os valorosos.
A crítica nietzschiana acaba mesmo por abranger os fundamentos da razão, considerando que o erro e o devaneio estão na base dos processos cognitivos e que a fé na ciência, como qualquer fé em verdades absolutas, não passa de uma quimera.
Não se limitando, porém, à denúncia de um estado de espírito dominado pela submissão a valores ancestrais, impotentes para criar algo de novo e propagando a obediência e a servidão como princípios supremos, ao proclamar a «morte de Deus» e a abolição de qualquer tutela, Nietzsche passa ao anúncio de uma nova era centrada na exaltação da vontade de poder, apanágio do homem verdadeiramente livre, o super-homem, que não conhece outros ditames além dos que ele próprio fixa. No entanto, o super-homem não é unicamente dominado pelo egoísmo, cabendo-lhe dirigir a «massa», anónima e ignorante, para um estádio superior em que os valores vitais, a alegria e a espontaneidade permitam a reafirmação do instinto criador da humanidade.

Pensador paradoxal, associa ao super-homem a consciência do eterno retorno, procurando, talvez, exprimir o aspeto cíclico dos movimentos históricos ou a impossibilidade de, alguma vez, ser atingido um grau supremo de perfeição no devir do Homem.
Expressando-se de forma aforística e mantendo todas as suas afirmações no limiar da inteligibilidade imediata, Nietzsche foi um filósofo ímpar, tão inovador como polémico: ao exaltar, em detrimento da razão, a faculdade da vontade como núcleo da essência humana e verdadeiro motor do devir e colocando-se numa posição de profundo ceticismo face aos fundamentos da ética e da moral, abalou profundamente os pilares do racionalismo, sendo por isso considerado como um dos «filósofos da suspeita» (ao lado de Marx e Freud), na esteira da «crise da razão» que marcou profundamente a filosofia no século XX. Entre as suas obras são de destacar:
A Origem da Tragédia (1872), Humano, Demasiado Humano (1878), Aurora (1881), A Gaia Ciência (1882), Assim Falou Zaratustra (1883-85), Para além do Bem e do Mal (1886), A Vontade de Poder (1886, editado em 1906), A Genealogia da Moral (1887), Ecce Homo (1888), O Anticristo (1888).

(ver mais)
Publicações Europa-América
6,90€ 10% CARTÃO
Publicações Europa-América
5,90€ 10% CARTÃO
Edições 70
26,91€ 29,90€
portes grátis
Edições 70
13,90€ 10% CARTÃO
Edições 70
15,90€ 10% CARTÃO
portes grátis
Padrões Culturais
6,45€ 10% CARTÃO