Luis Sepúlveda: «Descobri muito jovem o meu caminho» [VÍDEO]

Numa vida cheia de História e de histórias para contar, Luis Sepúlveda (Chile, 1949) descobriu cedo, na literatura, a sua vocação.

Publicou o primeiro livro aos 20 anos e hoje, aos 70, soma mais de 30 títulos, todos eles traduzidos em português, pela Porto Editora. Escreveu policiais, fábulas, romances, contos, crónicas, histórias infantis, muitos dos quais autobiográficos – a memória como um ato de justiça, porque «ninguém consegue subtrair-se à perseguição da sua própria sombra.»

Socialista convicto, ativista político, amigo pessoal de Salvador Allende, esteve preso e exilado.
Homem de ideais, de lutas e de geografias diversas, estabeleceu morada em diferentes países do globo. Atualmente vive nas Astúrias, Espanha, mas é a Lisboa que regressa sempre, ou, pelo menos, uma vez por ano: Sepúlveda raramente perde uma Feira do Livro. E foi lá, num dia soalheiro, que nos concedeu esta entrevista especial.
LUIS SEPÚLVEDA EM ENTREVISTA AO WOOKACONTECE
«Um escritor precisa de cozinhar a fogo lento, e ir provando, pouco a pouco, para ver como está»
CURIOSIDADES SOBRE O AUTOR
#1 Foi guarda pessoal de Salvador Allende, fundador do Partido Socialista chileno, e ainda hoje continua a reunir-se com o GAP (Grupo de Amigos Pessoais) de Allende;
#2 Viveu com os índios de etnia shuar durante sete meses na Amazónia equatorial para escrever O Velho que Lia Romances de Amor;
#3 Os pais de Luis Sepúlveda viveram um amor condenado pela sociedade da época: ambos menores, fugiram de casa e foram perseguidos pelas famílias e autoridades. E é durante a fuga dos pais que nasce o autor, numa humilde pensão onde o casal de enamorados tinha procurado abrigo.

Livros relacionados

Wook está a dar

Subscreva!