10% de desconto

Diários de um Globe Trotter

Nova Scotia

de José Gaia

editor: Chiado Books, outubro de 2019
Em si, este relato dia´rio da primeira parte de "TransCanadian", parte que e´ vivida na Nova Scotia, pela vocac¸a~o Ocea^nica da vasta plataforma mari´tima em que a Peni´nsula se projecta sobre o Norte do Atla^ntico, e assim se constitui ao longo da histo´ria, "Nova Scotia" preenche todo o relato da Maior Aventura que me sa~o os Mares.

E´ uma perspectiva muito exclusiva de toda uma vida em que me e´ imprescindi´vel respirar e viver o sabor pleno e a Aventura do Oceano:
Sempre vigoroso, vasto e magni´fico em todas as suas cores e ondas poderosas, nos seus ventos e sabor salgado, em toda a sua magni´fica forc¸a e surpreendente tranquilidade, na sua fu´ria em se renovar na frescura e cavado das vagas em que mergulho, sempre para ale´m fronteiras, sempre desde que nele me reconhec¸o.

Diários de um Globe Trotter

Nova Scotia

de José Gaia

Propriedade Descrição
ISBN: 9789895267835
Editor: Chiado Books
Data de Lançamento: outubro de 2019
Idioma: Português
Dimensões: 138 x 219 x 15 mm
Encadernação: Capa mole
Páginas: 276
Tipo de produto: Livro
Coleção: Bíos
Classificação temática: Livros em Português > Literatura > Biografias
EAN: 9789895267835
José Gaia

José Lucena Gaia nasceu em 31 de maio de 1954. É Engenheiro Civil (IST), membro Sénior da Ordem dos Engenheiros. É casado; tem duas Filhas e um Filho.
Os anos de juventude em África cimentaram o seu gosto pela imensidão dos espaços, descoberta e aventura, por viagens e pela "ausência" de fronteiras. Regressado a Portugal ainda na juventude, redescobriu essa imensa liberdade no desenho e fotografia.
Na revista Visão, em 1975, publicou o seu primeiro conto do "Fantástico" em B. D., que em 1976 integrou a representação Portuguesa no Salão Internacional de Angoulême. No jornal Expresso de 15 de abril/78, num artigo (Moacy Cirne), o seu estilo de desenho para B. D. foi classificado como «burilamento pictórico, de feitio poetizante».
Não deixou o desenho; passou a usar outras linhas, traços e pontos bem como as letras, para a sua nova modalidade de desenho. Deste recurso às letras para os "desenhos" que ilustram a continuidade da descoberta, ilustram as viagens e a "ausência" de fronteiras, nasceram os "Diários de um Globe Trotter"...

(ver mais)