Wook.pt - A Bem da Nação

A Bem da Nação

O Sindicalismo Português Entre a Tradição e a Modernidade

de Francisco Carlos Palomanes Martinho 

idioma: Português do Brasil, Português
26,50€
10%
Portes
Grátis
em stock
10% de desconto em CARTÃO
Em stock - Envio imediato
portes grátis
Sinopse

A BEM DA NAÇÃO: O SINDICALISMO PORTUGUÊS ENTRE A TRADIÇÃO E A MODERNIDADE (1933-1947), do jovem pesquisador e professor da Universidade Estadual do Rio de Janeiro, Francisco Martinho, discute o papel do nacionalismo e de suas ligações com a tradição e a modernidade no processo de institucionalização e consolidação de um Estado corporativo em Portugal, durante as décadas de 1930 e 1940. O trabalho apresentado por Martinho representa um imenso passo para o rompimento do isolamento nacional da pesquisa e o esforço comparativo entre os grandes fenômenos históricos contemporâneos. A transição entre o período da ditadura militar e um governo democrático teve como conseqüência, no meio acadêmico da História, uma procura por temas de pesquisa de interesse quase que único e exclusivo do historiador.

Excertos
"Antes de se haver entrado no trabalho de reorganização, uma palavra só — desordem — definia em todos os domínios a situação portuguesa. (...).
No cimo, um pouco causa um pouco efeito de todas as outras desordens, o irregular funcionamento dos Poderes Públicos. (...). A Presidência da República não tinha força nem estabilidade. O Parlamento oferecia permanentemente o espetáculo da desarmonia, do tumulto da incapacidade legislativa ou do obstrucionismo escandalizando o país com seus processos e a inferior qualidade do seu trabalho. Aos Ministérios faltava a consistência; não podiam governar mesmo quando os seus membros queriam. A administração pública, compreendida a das autarquias e a das colónias, não representava a da unidade e acção progressiva do Estado; era ao contrário o símbolo vivo da desconexão geral, da irregularidade, do movimento descoordenado, a gerar o cepticismo, a indiferença, o pessimismo dos melhores espíritos. (...)"

Oliveira Salazar (1930)

"Um reparo prevejo eu: em tão longo discurso, exclusivamente sobre matéria política, pouco se fala de liberdade, de democracia, de soberania do povo, e muito ao contrário, de ordem, de autoridade, de disciplina, de coordenação social, de Nação e de Estado. É certo, e há-de confessar-se corajosamente, se nos dispomos a fazer alguma coisa de novo, que há palavras e conceitos gastos sobre os quais nada de sólido se pode edificar já."
Oliveira Salazar (1930)

O presente texto tem por objetivo discutir o papel do nacionalismo e de suas interfaces com a tradição e a modernidade no processo de institucionalização e consolidação de um Estado corporativo em Portugal durante os anos 30 e 401. Conforme se pode observar nas epígrafes que dão início a esta parte introdutória, as opiniões daquele que se tornou a mais importante figura do Estado Novo português partiam do pressuposto de que a imposição da ordem e da disciplina em torno da Nação e do Estado era o caminho necessário para que se pudesse superar a conjuntura de crise anterior, evidenciada na crise da presidência da República, na incapacidade legislativa do parlamento e na ausência de união nacional, entre outros. Ao mesmo tempo que procuraremos perceber o processo de organização do Estado Novo como um modelo autoritário e corporativo dotado de características muito próprias, será destacado, como elemento de grande importância, a situação européia no pós-guerra, quando a crise do liberalismo possibilitou o nascimento de regimes antidemocráticos em diversos de seus países2. A conjuntura internacional será vista como um dos elementos relevantes na consolidação do Estado Novo, mas não o mais importante, posto que as razões endógenas foram aquelas que, fundamentalmente, impuseram o nascimento de um regime de tipo autoritário e corporativo em Portugal.
O nacionalismo, como fenômeno político de importância para a definição de políticas de Estado, nasceu, historicamente, a partir da Revolução Francesa, vinculado à idéia de uma Nação pertencente a todo o povo. A Nação era entendida, nesse sentido, como elo entre Estado e povo. A idéia de pertencimento, ao longo do século XIX, possibilitou o desencadear de movimentos revolucionários e de libertação nacional, ao mesmo tempo que permitiu a consolidação de regimes políticos que conseguiram evocar, com eficácia, os princípios de um "patriotismo estatal" como componente mais importante no relacionamento entre Estado e povo3.
No fundamental, a idéia de que uma Nação se confunde com o Estado que a administra era a perspectiva dos governantes europeus do final do século XIX e início do XX. Para Portugal, esta simbiose era "natural", haja vista a vitória de uma perspectiva unitária (um único povo) desde a Reconquista, quando uma nova institucionalidade jurídica e administrativa redefiniu os contornos do Estado nacional português. Esta situação era, em larga medida, uma vantagem se comparada com o predomínio dos nacionalismos autonomistas de Espanha, por exemplo, apesar dos temores portugueses com os potenciais desejos espanhóis de construir um Estado ibérico4. Assim, quando o regime do Estado Novo português reproduzia, em toda a sua documentação oficial, a expressão A bem da Nação!, ela podia perfeitamente ser entendida tanto como a defesa do povo quanto do Estado. Era dita com esta intenção e assim percebida por aqueles que apoiavam o regime e pela população em geral.
Entretanto, desde antes de seu nascimento como regime político, na oposição à República liberal e durante a ditadura militar, o nacionalismo apregoado por aqueles que ajudaram na queda do sistema democrático trazia consigo contornos da tradição e da modernidade. Por tradição, entende-se, por um lado, a evocação do passado português, de sua importância na construção de um mundo moderno e na aquisição de um vasto poderio colonial. Neste caso, a memória da construção da nacionalidade portuguesa, do sebastianismo, da Reconquista e do antiliberalismo de D. Miguel possuía importância determinante. Por outro, procurava-se consolidar a idéia de existência de uma "psicologia" tradicional do povo português: ordeiro, pacato, católico e vocacionado para o trabalho agrícola, em particular na pequena propriedade familiar. Não por acaso, em seu estudo para ingresso como professor da Universidade de Coimbra, ao mesmo tempo que denunciava a falência de um Alentejo latifundiário, Oliveira Salazar enaltecia o norte do país e sua pequena economia como elemento agregador da Nação portuguesa, "fecundada pelo capital e o trabalho"5.
Mas essa tradição, conforme foi dito, vinha combinada com elementos de modernidade. A própria citação do passado português já era, em si, uma homenagem ao moderno, uma vez que foi exatamente naquele passado que se evocava o período em que Portugal havia não só constituído a sua modernidada mas, sobretudo, havia sido o pioneiro em sua constituição no mundo ocidental. Para além de uma constante homenagem ao seu modernismo pretérito, o Estado Novo português apontava para outra modernidade mais condizente com sua época, própria da situação de crise liberal vivida pela Europa na conjuntura do entreguerras. Se é verdade que o fascismo, com sua estética futurista, era, não só um movimento dotado de modernidade mas, para além disso, se pretendia revolucionário, alguns outros regimes — entre eles o Estado Novo — beberam também da fonte que apontava para a identificação do liberalismo e da democracia como representantes do velho e do decadente. Assim, a organização de um Estado regulador, ainda que sem maiores projetos de industrialização, era um elemento constituinte dessa modernidade. A importância do Estado era permanentemente reiterada e, assim como nos regimes fascistas, a preocupação com a propaganda doutrinária e formadora era constante. Não por acaso, um dos mais importantes quadros do Estado Novo, António Ferro6, foi designado para dirigir a agência oficial de propaganda, o SPN (Secretariado de Propaganda Nacional). Desta forma, os valores do Estado reproduziam-se com eficácia, de modo a promover uma constante aproximação com o povo a quem deveria servir e proteger.
Outro lugar em que se evidencia essa regulação estatal foi o universo sindical, objeto de estudo do presente trabalho. A criação da organização corporativa obedeceu, simultaneamente, à idéia de resgate da tradição medieval perdida com o advento do liberalismo e à projeção do dever do Estado em servir como mediador dos conflitos entre capital e trabalho presentes no mundo contemporâneo. Mais uma vez, passado e futuro se encontravam. E também nos organismos sindicais, conforme se verá, prevaleceu a concepção de que estes, mais do que representantes dos projetos particulares e econômicos das classes sociais, deveriam, sim, agir em favor do bem comum. A bem da Nação.

A Bem da Nação
ISBN: 9788520005873Edição ou reimpressão: Editor: Civilização BrasileiraIdioma: Português do Brasil, PortuguêsDimensões: 159 x 229 x 43 mm Encadernação: Capa mole Páginas: 432Tipo de Produto: Livro Classificação Temática: Livros em Português > História > História de Portugal
X
Coloque aqui o seu comentário
A Bem da Nação
a sua avaliação:
X
Obrigado pela sua contribuição!

O seu comentário foi enviado para validação.

Nota:
A WOOK reserva-se ao direito de não validar textos que não se foquem na análise do conteúdo do livro ou produto. Caso pretenda colocar alguma questão sobre o artigo deverá fazê-lo através do Centro de Contacto.
X
imagem
X
wook deve saber
Promoção válida para o dia 30-03-2017

Saiba mais sobre preços e promoções consultando as nossas condições gerais de venda.
X
recomendar
A Bem da Nação de Francisco Carlos Palomanes Martinho 
Para recomendar esta obra a um amigo basta preencher o seu nome e email, bem como o nome e email da pessoa a quem pretende fazer a sugestão. Se quiser pode ainda acrescentar um pequeno comentário, de seguida clique em enviar o pedido. A sua recomendação será imediatamente enviada em seu nome, para o email da pessoa a quem pretende fazer a recomendação.

A sua identificação:

A identificação da pessoa a quem quer recomendar este titulo:

Se pretende enviar esta recomendação para mais de um endereço de e-mail, separe na caixa anterior os endereços com ",". Ex: abc@abc.pt,xyz@xyz.pt

X
A sua recomendação foi enviada com sucesso!
X
Ocorreu um erro a obter a informação! Por favor tente mais tarde.
X
alerta de artigo novamente disponível

De momento, este produto não se encontra disponível no fornecedor. Caso o mesmo volte a ficar disponível, poderemos notifica-lo, bastando para tal que nos indique o seu endereço de email.

X
O seu pedido foi registado com sucesso.
Caso este produto fique disponível, será alertado por email
X
wook deve saber
Este eBook pode ser lido em qualquer dispositivo com browser, sem necessidade de fazer o download de qualquer software ou de possuir qualquer tipo de equipamento específico de leitura.
Após a compra, o eBook é disponibilizado de imediato na sua Biblioteca Wook, onde poderá ler e organizar todos os seus eBooks e à qual poderá aceder a partir do site WOOK ou da nossa aplicação (APP).
A versão web da Biblioteca Wook está otimizada para as versões mais recentes dos browsers Google Chrome, Internet Explorer, Safari, Firefox e Edge.
Para otimizar o acesso à sua Biblioteca Wook e ter acesso à opção de leitura em modo offline (sem ligação à internet) deverá instalar a nossa APP de leitura:
X
wook deve saber
Este eBook está encriptado com DRM (Digital rights management) da Adobe e é aberto na aplicação de leitura Adobe Digital Editions (ADE) ou em outras aplicações compatíveis.
Após a compra, o eBook é de imediato disponibilizado na sua área de cliente para efetuar o download.

Para ler este eBook num computador instale a aplicação Adobe Digital Editions.
Antes de instalar o Adobe Digital Editions, veja aqui o vídeo de ajuda:

Para ler este eBook em tablet e smartphone instale a aplicação Adobe Digital Editions para IOS ou Android.

X
wook deve saber
O PDF é um formato de arquivo digital desenvolvido pela Adobe e que disponibiliza uma imagem estática das páginas do livro e, independentemente do dispositivo de leitura, não redimensiona o texto ao tamanho do ecrã do dispositivo.
X
wook deve saber
O ePUB é um formato que proporciona uma excelente experiência de leitura dado que permite o redimensionamento do texto ao ecrã do dispositivo de leitura, aumentar ou diminuir o tamanho do texto, alterar o tipo de fonte, entre outras funcionalidades
X
não encontrou wook procura?
Nós procuramos por si!

A sua identificação:

A identificação do livro que procura:

O seu pedido foi enviado com sucesso!
X
envie esta lista aos seus amigos
lista de desejos

A identificação da pessoa a quem quer enviar esta lista:

X
A sua lista de compras foi enviada com sucesso para .
X
selecione o livro adotado:
X
wook deve saber


Oferta de portes, ou devolução do valor em cartão, para Portugal continental em CTT Expresso Clássico ou Rede Pickup. 30% de desconto, ou devolução em cartão, nos envios para as ilhas dos Açores e Madeira, em CTT Expresso Clássico. Tipos de envio disponíveis para encomendas até 10 kg.

Promoção válida para encomendas de livros não escolares registadas até 31/12/2017. Descontos ou vantagens não acumuláveis com outras promoções.

X
wook deve saber


A devolução do valor dos portes de envio, em cartão Wookmais, será efetuada 18 dias após a faturação. Oferta válida para uma encomenda com entrega em Portugal.

X
wook deve saber


EM STOCK – ENVIO IMEDIATO
Se a sua encomenda for constituída apenas por produtos com esta disponibilidade e for paga até às 16 horas de um dia útil, será processada de imediato e enviada para o correio no próprio dia. Encomendas pagas após as 16 horas passarão para o processamento do dia útil seguinte. Esta disponibilidade apenas é garantida para uma unidade de cada produto e até 15 minutos após o registo da encomenda.

ENVIO ATÉ X DIAS
Esta disponibilidade indica que o produto não se encontra em stock e que demorará x dias úteis a chegar do fornecedor. Estes produtos, especialmente as edições mais antigas, estão sujeitos à confirmação de preço e disponibilidade de stock no fornecedor.

PRÉLANÇAMENTO
Os produtos com esta disponibilidade têm envio previsto a partir da data de lançamento.

DISPONIBILIDADE IMEDIATA
Tipo de disponibilidade associada aos eBooks, que são disponibilizados de imediato, após o pagamento da encomenda, na sua biblioteca.

Para calcular o tempo de entrega de uma encomenda deverá somar à disponibilidade mais elevada dos artigos que está a encomendar o tempo de entrega associado ao tipo de envio escolhido.

X
a sua lista de desejos encontra-se vazia
Adicione à sua lista de desejos todos os produtos que deseja comprar mais tarde, envie-a aos seus amigos antes do seu aniversário, Natal ou outras datas especiais - quem sabe se eles o surpreendem!
Seja informado sobre promoções destes produtos
X
Ocorreu um erro
Por favor tente novamente mais tarde.
X
atingiu o limite máximo de dispositivos autorizados
Por favor, aceda à area de cliente para gerir os dispositivos ativos.
X
Temos pena de o ver partir!
Pode voltar a subscrever as nossas newsletters a qualquer momento, na sua área de cliente em "Newsletters".
Junte-se à comunidade wook nas redes sociais:
X
wook deve saber


WOOK É O CHECKOUT EXPRESSO?
Esta modalidade de checkout permite-lhe comprar em dois cliques, seguindo diretamente para a confirmação de encomenda.

COMO FUNCIONA?
A encomenda é pré-preenchida com os dados que habitualmente utiliza - morada faturação, morada de entrega, forma de envio e tipo de pagamento. Para finalizar o processo, necessita apenas de confirmar os dados.

POSSO UTILIZAR OS MEUS VALES?
Vales e outros descontos que se encontrem no prazo de validade, serão igualmente considerados automaticamente na encomenda.

CONSIGO ALTERAR OS DADOS DA ENCOMENDA?
Sim. Antes de confirmar, tem ainda a possibilidade de alterar todos os dados e opções de compra.

EXCEÇÕES
O botão do Checkout Expresso só será visível se:
  • Selecionar previamente, na Área Cliente, as moradas habituais de envio e de faturação;
  • Associar uma conta wallet, quando a morada de envio selecionada é no estrangeiro;
  • Não incluir artigos escolares na encomenda.