Poemas Selecionados eBook

de Florbela Espanca

editor: Primavera Editorial
Florbela Espanca é uma poetisa que já tem poema no seu próprio nome… Embora ofuscada muitas vezes pela figura de poetas como Fernando Pessoa, foi um dos grandes nomes da poesia portuguesa. Com 18 anos, Florbela inicia o ensino secundário, sendo uma das primeiras mulheres a estudar, o que era já era um escândalo para a sociedade da época. Após se casar, Florbela decide voltar a estudar e ingressa na Faculdade de Direito de Lisboa – ela era uma das 14 mulheres entre 347 estudantes homens.Seu primeiro poema foi escrito aos sete anos, e ela o intitulou de A vida e a morte. Florbela sempre teve uma necessidade de colocar para fora seus sentimentos, o que torna sua obra tão pessoal e biográfica. Com toda essa história de vida, Florbela nunca precisou levantar bandeiras, porque ela em si já era a personificação da emancipação feminina em sua época. É impossível passar incólume à sua obra, que cozinha amor, erotismo e devoção – devoção esta muitas vezes submetidas ao amor por um homem, sim, mas sempre consciente em ser uma escolha, não uma imposição.Com o intuito de disseminar a história e obra de Florbela, criamos na Primavera Editorial o projeto Bela Flor, como uma homenagem à poetisa. Encontrará nas próximas páginas poemas que te façam refletir sobre amor, devoção e erotismo, de uma forma muitas vezes deslocada de seu tempo. A ideia da coleção é divulgar o poder dos escritos de Florbela, sim, mas também mostrar como existiram em todas as épocas mulheres que revolucionaram os padrões impostos pela sociedade, tornando-se o que sempre deveriam ser: elas mesmas.

Poemas Selecionados

de Florbela Espanca

ISBN: 9788555780967
Editor: Primavera Editorial
Idioma: Português do Brasil
Páginas: 108
Tipo de produto: eBook
Formato: ePUB i
Classificação temática: eBooks em Português > Literatura > Poesia
EAN: 9788555780967
Florbela Espanca

Poetisa e contista. Depois de concluir os estudos liceais em Évora, frequentou a Faculdade de Direito de Lisboa. A abordagem crítica da sua obra poética, marcada pela exaltação passional, tem permanecido demasiado devedora de correlações, mais ou menos implícitas, estabelecidas entre o seu conturbado percurso biográfico - uma existência amorosa e socialmente malograda que culminaria com um suicídio aos 36 anos de idade -, e uma voz poética feminina, egotista e sentimental, singularmente isolada no contexto literário das primeiras décadas do século. Na verdade, a leitura mais imparcial das suas composições, entre as quais se contam alguns dos mais belos sonetos da língua portuguesa, permite posicioná-la quer na matriz de uma poesia finissecular que, formalmente, cruza caracteres decadentistas, simbolistas (são várias as referências na sua poesia a autores simbolistas) e neorromânticos (acusando a admiração por certos autores da terceira geração romântica, como Antero de Quental), "à maneira de um epígono de António Nobre" (cf. PEREIRA, José Augusto Seabra - prefácio a Obras Completas de Florbela Espanca, vol. I, Poesia, Lisboa, D. Quixote, 1985, p. IV), quer, ainda, pela forma como a vivência do amor promove, a cada passo, uma mitificação do eu, na senda de certos autores do primeiro modernismo como Sá-Carneiro, Alfredo Guisado ou António Botto. Por outra via, a da literatura mística, Florbela Espanca reata conscientemente ("Soror Saudade") com a tradição da literatura claustral feminina que recebera, no período de maior florescimento, uma marca conceptista, mantida na poética de Florbela por certa propensão para a exploração das antíteses morte/vida, amor/dor, verdade/engano. A imagem da mulher que sofre de ilusão em ilusão amorosa, que reitera até ao desespero a sua fatalidade, que dá expressão a uma existência irremediavelmente minada pela ansiedade e pela incompreensão, acabou por, na receção alargada da sua poesia, sobrepor-se a outros nexos temáticos com igual pertinência, como a dor de pensar e a aspiração à simplicidade ("Quem me dera voltar à inocência / Das coisas brutas, sãs, inanimadas, / Despir o vão orgulho, a incoerência: / - Mantos rotos de estátuas mutiladas!" ("Não Ser"); ou a forma como a busca do amor se volve essencialmente em busca de si mesma através dos estilhaços de um ser que não sabe ser sozinho: "Ó pavoroso mal de ser sozinha! / Ó pavoroso e atroz mal de trazer / Tantas almas a rir dentro da minha!" ("Loucura", in Sonetos). Florbela Espanca.

(ver mais)
Porto Editora
5,94€ 6,60€
11 X 17
6,00€ 10% CARTÃO
eBook
Chiado Brasil
3,49€ 10% CARTÃO
eBook
Dom Quixote
9,99€ 10% CARTÃO