Factfulness: a realidade não é tão má como parece

«Toda a gente devia ler este livro», afirmou Bill Gates. Nós lemos e sublinhamos: o magnata da Microsoft tem toda a razão.
Factfulness
Factfulness, de Hans Rosling
As coisas estão más, e até parece que tudo piora. Há mais corrupção, mais violência, mais desastres naturais, mais pobreza. Os ricos estão mais ricos, os pobres estão mais pobres e morrem mais crianças. Esta é a imagem que muitos de nós têm na cabeça, correto?

Mas não se preocupe: o mundo está cada vez melhor. E isto não é ironia. Ainda que o mundo – e nós, claro – enfrentemos desafios enormes, o progresso tem sido notável.


Hans Rosling apresenta-nos 10 factos concretos que o comprovam.

Além disso, explica-nos a razão pela qual o progresso é tantas vezes «secreto» e «silencioso» e ensina-nos a ver o mundo com uma nitidez súbita.


Bill Gates considera-o um dos livros mais importantes que já leu – e consegue-se perceber porquê assim que o abrimos.


Caro leitor, vamos folheá-lo aqui e agora. Está preparado?

«QUANDO POSSUÍMOS UMA VISÃO BASEADA EM FACTOS, VEMOS QUE O MUNDO NÃO É TÃO MAU COMO PARECE»
FACTUALIDADE
«Que idade tinha o leitor há 20 anos? Feche os olhos por um segundo e lembre-se de quando era mais novo. A que ponto o seu mundo mudou? Muito? Um pouco? Bem, foi assim que o mundo mudou: apenas há vinte anos, 29 por cento da população mundial vivia em pobreza extrema. Agora esse número é 9 por cento. Hoje em dia, quase toda a gente escapou ao inferno. (…) Devíamos dar uma festa! (…) Em vez disso, estamos sombrios.

Em 1800, quando os suecos morriam à fome e as crianças britânicas trabalhavam em minas de carvão, a esperança média de vida rondava os 30 anos em todo o mundo. (…) A esperança média de vida mundial hoje é de 70 anos. Na verdade, é melhor: é 72 anos.

«Factualidade é… perceber quando recebemos notícias negativas e recordar que a informação acerca dos acontecimentos negativos tem uma probabilidade muito mais elevada de chegar até nós. Quando as coisas estão a melhorar quase nunca ouvimos falar delas. (…)»

Uma espécie de mapa do mundo relativo à saúde e à riqueza | Fonte: Gapminder.org
ESTATÍSTICAS COMO TERAPIA
«Os factos básicos acerca do progresso do mundo são tão pouco conhecidos que eu sou convidado para falar acerca deles em conferências e reuniões empresariais em todo o mundo. Às vezes, chamam às minhas conferências «inspiradoras» e muitas pessoas dizem que também têm um efeito reconfortante. Essa nunca foi a minha intenção. Mas é lógico. O que eu mostro são sobretudo apenas dados das Nações Unidas. Uma vez que as pessoas têm uma visão do mundo que é muito mais negativa do que a realidade, as puras estatísticas podem fazer com que se sintam mais positivas.»
10 COISAS MÁS A DIMINUIR*
  • Escravatura legal
  • Derrames de petróleo
  • Trabalho infantil
  • Varíola
  • Pena de morte
  • Fome
  • Infeções VIH
  • Armas nucleares
  • Painéis solares dispendiosos
  • Mortes em desastres
10 COISAS BOAS A AUMENTAR*
  • Raparigas na escola
  • Ciência
  • Democracia
  • Cobertura elétrica
  • Água
  • Internet
  • Música nova
  • Literacia
  • Espécies vigiadas
  • Sobrevivência ao cancro infantil

*Nota: No livro, o autor apresenta 16 itens para cada um dos tópicos coisas más a diminuir/coisas boas a aumentar; para comprovar cada um deles, há um gráfico e uma breve explicação.
NA PRÁTICA
«Devíamos ensinar as nossas crianças que existem países em todos os diferentes níveis de saúde e rendimento e que a maioria se encontra no meio.

- Devíamos falar-lhes da posição socioeconómica do seu próprio país em relação ao resto do mundo e como isso está a mudar.

- Devíamos dizer-lhes que o seu próprio país progrediu ao longo dos níveis de rendimento até onde está agora e como usar esse conhecimento para compreender como a vida é hoje nos outros países.

- Devíamos ensinar-lhes que as pessoas se estão a deslocar para os níveis de rendimento mais altos e que a maioria das coisas está a melhorar para elas.

- Devíamos ensinar-lhes como a vida era realmente no passado, para não pensarem erradamente que não houve nenhum progresso.

- Devíamos ensinar-lhes a considerarem duas ideias ao mesmo tempo: que se estão a passar coisas más no mundo, mas que muitas coisas estão a melhorar.

- Devíamos ensinar-lhes que os estereótipos culturais e religiosos são inúteis para compreender o mundo.

- Devíamos ensiná-las a consumir as notícias e a localizar o drama se ficarem stressadas e desesperançadas.

- Devíamos ensinar-lhes as formas habituais de as pessoas tentarem enganá-las com números.

- Devíamos ensinar-lhes que o mundo continuará a mudar e que elas terão de atualizar o seu conhecimento e a sua visão do mundo ao logo da sua vida.

E o mais importante de tudo: devíamos ensinar às nossas crianças humildade e curiosidade. Humildade para serem realistas acerca da extensão do nosso conhecimento. (…) Ser curioso significa estar aberto a nova informação e procurá-la ativamente.»

Livros relacionados

Wook está a dar

Subscreva!