Revista Inglesa ( Crónicas )

Livro 1

de Jaime Batalha Reis

editor: Dom Quixote
ESGOTADO OU NÃO DISPONÍVEL
VENDA O SEU LIVRO i

Revista Inglesa ( Crónicas )

de Jaime Batalha Reis

ISBN: 9789722006040
Editor: Dom Quixote
Idioma: Português
Dimensões: 150 x 230 x 20 mm
Páginas: 254
Tipo de produto: Livro
Coleção: Memoria Portuguesa
Classificação temática: Livros em Português > Literatura > Ensaios
EAN: 9789722006040
Idade Mínima Recomendada: Não aplicável
Jaime Batalha Reis

Jaime Batalha Reis nasceu em Lisboa em 24 de dezembro de 1847 e morreu a 24 de janeiro de 1935 em Torres Vedras. Formou tendo sido professor catedrático de Microscopia e Nosologia Vegetal no Instituto Geral de Agricultura. Foi também jornalista, crítico literário e da Geração de 70, onde contava vários amigos, entre os quais Eça de Queirós e Antero de Quental. Em 1882, quando era professor catedrático de Microscopia e Nosologia Vegetal no Instituto Geral de Agricultura, foi provido na carreira consular, sendo nomeado cônsul em Newcastle, onde estivera Eça de Queirós que, entretanto, assumira o Consulado em Bristol. Jaime Batalha Reis partiu em agosto de 1883 com a família, para o novo posto, mantendo-se na carreira diplomática perto de trinta anos, até se aposentar em 1921.Publicou numerosos artigos na imprensa, em especial inglesa e francesa, sobre temas associados às questões africanas, foi convidado a integrar diversas Sociedades, nomeadamente de Geografia, onde regularmente proferia conferências. Neste âmbito foi também um membro importante na criação e desenvolvimento da Sociedade de Geografia de Lisboa. A par do seu desempenho como Cônsul foram-lhe confiadas diversas missões confidenciais como é o caso das negociações financeiras em Paris relativas à situação do crédito de Portugal (1890-1891) e a sua missão em Berlim para conseguir o apoio da Alemanha a Portugal (1888-1891). Ocupou ainda o lugar de representante diplomático de Portugal em Petrogrado, onde assistiu à Revolução de 1917 e foi envolvido nos acontecimentos diplomáticos que então ocorreram. Só em 1918 conseguiu sair por Murmansk. No mesmo ano, foi o delegado português à Conferência de Paz de Paris e, a seguir, representante de Portugal na comissão que iria elaborar o Pacto da Sociedade das Nações. No regresso a Portugal criou o Secretariado da Sociedade das Nações e lançou as bases da Associação Portuguesa para a Sociedade das Nações, de que viria a ser vice-presidente.

(ver mais)