20% de desconto

Perto do Coração Selvagem

de Clarice Lispector

editor: Relógio D'Água, abril de 2000
RECOMENDADO PELO PLANO NACIONAL DE LEITURA i
A Relógio d´Água publica o primeiro romance da escritora brasileira Clarice Lispector, escrito em 1944, durante a sua adolescência. Movimentando-se sempre na esfera íntima do ser humano, Clarice dá-nos a conhecer Joana, numa viagem crua pela sua realidade

Perto do Coração Selvagem

de Clarice Lispector

Propriedade Descrição
ISBN: 9789727085743
Editor: Relógio D'Água
Data de Lançamento: abril de 2000
Idioma: Português
Dimensões: 135 x 210 x 11 mm
Encadernação: Capa mole
Páginas: 210
Tipo de produto: Livro
Classificação temática: Livros em Português > Literatura > Romance
EAN: 9789727085743
Idade Mínima Recomendada: Não aplicável
e e e e e

Como uma brisa

Joana

Há muito que queria ler Clarisse Lispector. Decidi começar com este Perto do Coração Selvagem e a leitura flui como uma brisa morna de verão. Uma delícia de leitura

e e e e e

o desafio é ler

antónio josé cravo

a solidão. eu. o sonho. pensar-me. o coração selvagem. as palavras ou. escrever sobre a escrita de clarice lispector é uma aproximação à escrita, à oficina onde as palavras, na solidão de um coração selvagem, são mais que eu, são outro eu, sou eu a pensar-me, a pensar-nos, a pensar-te. a cada releitura uma leitura. o desafio de clarice é ler mais clarice

Clarice Lispector

Clarice Lispector nasceu a 10 de dezembro de 1920 na Ucrânia, então em vias de integração na URSS. Os pais eram judeus e o seu nome de batismo Chaya Lispector.
A família fora vítima dos pogroms, particularmente intensos a partir de dezembro de 1918. Foi para fugir à devastação da guerra civil que os Lispectors emigraram para o Brasil em 1922, fixando-se primeiro em Maceió e depois no Recife.
Clarice, nome adotado no Brasil, demonstrou um precoce interesse pelas palavras. Dava nomes aos azulejos, às canetas e lápis e inventava jogos de frases para a mãe, paralisada pela doença.
No Recife, Clarice ajudava a família dando explicações de Português e Matemática, roubava rosas e rodeava-se de gatos.
Desde o início, o seu estilo de escrita foi marcado por uma linguagem intimista e uma sintaxe excêntrica. Nos contos que enviava para o Diário de Pernambuco nunca iniciava as histórias por «Era uma vez...».
Foi nessa época que Clarice leu alguns dos autores qua a iriam influenciar, como Machado de Assis e Monteiro Lobato. O Lobo das Estepes, de Hermann Hesse, e Crime e Castigo, de Dostoievski, emocionaram-na.
Em 1933 decidiu ser escritora. «Quando conscientemente, aos treze anos de idade, tomei posse da vontade de escrever - eu escrevia quando era criança, mas não tomara posse de um destino - quando tomei posse da vontade de escrever, vi-me de repente num vácuo.»
A mãe de Clarice faleceu em 1930. Cinco anos depois, a família, em dificuldades económicas, deslocou-se para o Rio de Janeiro.
Depois de ter frequentado uma escola de bairro, Clarice foi admitida na Faculdade de Direito. Era então uma rapariga de cabelos claros, com uma pronúncia estranha e uma insólita beleza.
O pai, Pedro Lispector, faleceu em 1940, de uma banal operação à vesícula. Pouco depois, Clarice iniciou a sua atividade como jornalista na Agência Nacional, onde conheceu o escritor Lúcio Cardoso, por quem se apaixonou e a quem tentou em vão "salvar" da homossexualidade.
Em março de 1942, sob a influência das leituras de Espinosa, Clarice começou a escrever Perto do Coração Selvagem. O livro, publicado em 1943, agitou a literatura brasileira, marcada pelo realismo de Graciliano Ramos, Érico Veríssimo e Jorge Amado.
É então que Clarice Lispector decide casar com um colega de faculdade, Maury Gurgel Valente. Como este seguia a sua carreira diplomática, Clarice deixa o Rio por duas décadas. Separa-se das duas irmãs, afasta-se dos escritores seus amigos e dos leitores. Conhece a monotonia da vida diplomática, primeiro em Nápoles, depois em Berna e Washington.
Clarice teve dois filhos nesse período de afastamento do Brasil. Foi para eles que escreveu livros como A Vída Íntima de Laura e A Mulher Que Matou os Peixes.
Em 1959, separa-se de Maury para poder regressar ao Rio. Continua «luminosa e inacessível» e conhece dificuldades financeiras, apesar de se ter tornado, depois de Laços de Família (1960), A Maçã no Escuro (1961) e A Paixão Segundo G. H. (1964), uma escritora de culto.
A fama chega-lhe através das crónicas do Jornal do Brasil. Mas esse é também um tempo de tragédia. Sofre graves queimaduras num incêndio do seu apartamento e a esquizofrenia do filho mais velho agrava-se.
«Eu escrevo como se fosse para salvar a vida de alguém. Provavelmente a minha própria vida», diz em Um Sopro de Vida, a sua última obra.
Dá a sua última entrevista para a televisão em fevereiro de 1977, já gravemente doente. Morre em dezembro desse ano na sua cidade, o Rio de Janeiro.

(ver mais)
A Paixão Segundo G. H.

A Paixão Segundo G. H.

20%
Relógio D'Água
14,40€ 18,00€
portes grátis
Todas as Crónicas

Todas as Crónicas

20%
Relógio D'Água
20,00€ 25,00€
portes grátis
Grande Sertão: Veredas

Grande Sertão: Veredas

30%
Companhia das Letras
19,16€ 20% + 10% CARTÃO
portes grátis
Ratos e Homens

Ratos e Homens

30%
Livros do Brasil
9,76€ 20% + 10% CARTÃO
portes grátis