Wook.pt - Intelectuais à Brasileira

Intelectuais à Brasileira

de Sergio Miceli 

idioma: Português, Português do Brasil
24,38€
10%
Portes
Grátis
10% de desconto em CARTÃO
Envio até 10 dias
portes grátis
Sinopse

Nesta reunião de livros e artigos, Sergio Miceli examina o Brasil e suas elites intelectuais de um ângulo original, através de uma narrativa extremamente expressiva. Munido de um fértil instrumental sociológico, disseca a trama de relações pessoais e políticas que sustenta as estratégias de actuação de sectores das camadas dirigentes do país.
O alvo da análise são os pré-modernistas e modernistas - cronistas, poetas, romancistas profissionais e literatos de diferentes cepas que actuaram na República Velha e no período Vargas - Lima Barreto, Manuel Bandeira e Mário de Andrade, entre vários outros. O intérprete propõe uma sociologia da vida intelectual brasileira sensível às imbricações das biografias com a dinâmica político-cultural e mostra como as experiências mais íntimas e pessoais reverberam na obra produzida. Examina ainda duas experiências institucionais decisivas: o Conselho Nacional de Educação e o Serviço de Património Histórico e Artístico Nacional.
Miceli também expõe os bastidores da interpretação, compartilhando com os leitores o embate do pesquisador com os seus materiais e a emoção da descoberta, que compõem, como ele diz, o "transe do processo de investigação".

Excertos

A CONSTRUÇÃO DO TRABALHO INTELECTUAL

Tentarei reconstruir, com um pouco de método, uma boa dose de lembrança e alguma emoção, minha experiência do trabalho intelectual. Embora possa reconhecer na primeira fase diversos elementos formadores da trajetória, tenho a impressão de que não havia ainda se sedimentado uma vivência por inteiro do que seja o trabalho intelectual propriamente dito em sociologia.
Na dissertação de mestrado, publicada no início da década de 1970, a análise do processo de fabricação da cultura na televisão se voltava para as mensagens a serem decifradas em suas dimensões visual e social, a primeira delas impulsionando uma recuperação mais densa e matizada dos significados sociais. Apesar da boa receptividade ao trabalho na imprensa e entre os colegas, ficara insatisfeito com o argumento um tanto singelo com que busquei organizar as evidências coligidas. Fui me dando conta de que a leitura sociológica do material extraído das gravações se apoiava quase o tempo todo em informações externas à mensagem mesma que era o objeto central de estudo. Enquanto isso, buscava recuperar os significados embutidos no discurso televisivo, seguindo assim, literalmente, o receituário prescrito pelos defensores da análise semiológica e demais famílias de pensamento fascinadas pela lógica interna dos discursos. A despeito das limitações inerentes a esse tipo de abordagem, as maiores dificuldades eram minhas, consistindo, primeiro, numa tosca elaboração da dimensão iconográfica e, segundo, numa incipiente competência para lidar com recursos de uma análise estrutural e comparativa. Por força de tudo isso, estava dessa feita muito mais propenso a me bandear para o outro lado do processo de produção de cultura, ou seja, a tomar como objeto de investigação uma categoria social que fosse também produtora profissional de bens simbólicos.
E assim foi tomando corpo a pesquisa acerca dos intelectuais nas décadas de 1920, 30 e 40. De início, eu sabia muito mais o que não queria fazer, ou melhor, identificava as linhas de argumentação que me pareciam esquemáticas. Para tomar apenas um exemplo que acabou tendo certo impacto na montagem da explicação, estava (e continuo hoje) convencido de que a cobertura apologética algo orquestrada do movimento modernista, em especial a canonização das principais lideranças, escamoteava o perfil social de seus integrantes e, em conseqüência, se mostrava incapaz de captar as marcas dessa experiência no conteúdo de suas obras. Queria portanto me livrar dos esquemas implícitos nas diversas correntes da história e da crítica literárias. Em meio a essa atitude de recusa à adoção das versões eruditas e "humanistas" disponíveis acerca da vida intelectual brasileira do período, acabei enveredando por caminhos de prospecção que não havia de início identificado. Passei a acreditar que a exploração de veios inéditos de material traria subsídios instigantes a respeito dos intelectuais. Tratava-se de uma expectativa um tanto no atacado, sem que eu tivesse maior precisão quanto a como monitorar as pepitas e os pepinos porventura dispersos no material a ser investigado. Com tais disposições acabei definindo duas trilhas de garimpo cujos cruzamentos me pareciam àquela altura bastante problemáticos: o levantamento exaustivo da inserção dos intelectuais no setor público federal no período 1930-45 e a leitura das memórias e biografias dos intelectuais.
Na medida em que rechaçava as perspectivas macrossociais encampadas pelos modelos dominantes da historiografia e do ensaísmo literários, esse trabalhoso levantamento das nomeações me pareceu então ostentar os emblemas de um lastro empírico irrecusável, sobre o qual se poderia apoiar uma análise do relacionamento que os diferentes setores e categorias intelectuais passaram a manter com seus mentores políticos. Os resultados iniciais nessa direção foram bastante desanimadores. A canseira requerida pela apuração das nomeações para cargos públicos por meio do Diário Oficial da União não dava mostras de conduzir a lugar algum, todo esse esforço não encontrando de imediato uma contrapartida analítica satisfatória. A uma dada altura, entretanto, que correspondia aos meados da década de 1930, começou a adquirir uma feição característica o processo de constituição de redes de proteção e amizade, freqüentemente amalgamadas por jovens lideranças emergentes, tornando possível rastrear em bases sistemáticas os setores de trabalho e intervenção que então se abriam aos novos quadros daquela geração de intelectuais.
[...] À medida que avançava na absorção das informações contidas nesses gêneros, fui me dando conta de que o perfil familiar, afetivo, educacional e profissional dos intelectuais do período, que aos poucos ia ganhando contornos surpreendentes com base nessas leituras, era muitíssimo distinto do retrato encontradiço nas fontes tradicionais. A rigor não havia nenhuma inverdade nessas fontes, apenas silenciavam ou nem mesmo consideravam merecedoras de tratamento algumas informações cruciais em suas histórias de vida, como, por exemplo, o fato de muitos deles serem órfãos de pai, de outros tantos apresentarem um elenco diversificado de estigmas de toda ordem (físicos, emocionais etc.) ou, então, de terem um convívio tão íntimo e contagiante com o mundo das mulheres da elite ou a seu serviço. Esses e outros traços da experiência de vida dos intelectuais sob exame foram aos poucos dando rosto a uma versão ainda "selvagem" do que mais tarde seria o argumento central da tese a respeito dos laços que esses intelectuais mantinham com transes característicos das famílias em declínio da elite brasileira.
Na época, eu estava empolgado pelo desvendamento de inúmeros traços sociais que foram compondo um retrato até então desconhecido desses intelectuais. Esse material empírico fervilhante iria em seguida suscitar o desafio de lhe infundir um sentido interpretativo mais abrangente, em condições de discriminar padrões dotados de um maior poder de generalização, em torno dos quais se pudesse enganchar a riquíssima variedade de eventos detectados.
Após alguns meses de estada em Paris, meu orientador sugeriu que eu preparasse um roteiro exploratório com vistas a organizar os materiais coligidos segundo uma certa linha de argumentação. Fiquei excitado com a perspectiva de obter alguma reação ao que reputava "minhas descobertas" analíticas e, ao mesmo tempo, receoso pelo fato de que a maioria desses enlaces não tivesse sido até então utilizada em trabalhos de outros pesquisadores do grupo mais ligado ao mestre. Achava que tinha o ouro mas temia que fosse considerado uma espécie de contrabando. Transmiti minha preocupação aos assistentes, que nem se mostraram entusiásticos nem me desencorajaram de todo. Resolvi bancar o lance e exibir aquele lado menos "nobre" do material levantado.
A reação do "patrão" foi a melhor possível, quase de entusiasmo na escala dos costumes locais. Prossegui na mesma batida, às voltas com a leitura das memórias e biografias, buscando completar as lacunas de informação com os dados disponíveis em repertórios biobibliográficos, em dicionários especializados, em histórias literárias e políticas regionais e estaduais, construindo dessa maneira um teste das minhas hipóteses, tendo como grupo de controle uma quantidade maior de intelectuais do que o contingente de autores de memórias e de biografados. A proposta para que eu redigisse um artigo exploratório (que seria publicado na revista que então se iniciava, Actes de la Recherche en Sciences Sociales) forçou como que um teste completo do argumento que estava se armando, dessa vez tendo como objeto de análise um conjunto de escritores pré-modernistas designados no texto como anatolianos, em função das influências sofridas do modelo francês.
A redação desse artigo permitiu ensaiar algumas aproximações comparativas que mais tarde se revelaram fecundas para a maturação da visada sociológica sobre as elites brasileiras. O trabalho a respeito dos pré-modernistas propiciou o ensejo de pôr à prova a justeza do modelo de explicação que então se esboçava, no interior do qual constrições sociofamiliares se juntavam a experiências decisivas de intimidade com o universo feminino dos grupos dirigentes e a oportunidades subvencionadas de treinamento e socialização nas profissões intelectuais, num quadro de fundo marcado pelas instituições e demais condicionantes característicos de um mercado de bens culturais numa sociedade periférica. Esse misto de experimento-artigo teve também alguns inesperados desdobramentos de longo prazo.

A CONSTRUÇÃO DO TRABALHO INTELECTUAL

Tentarei reconstruir, com um pouco de método, uma boa dose de lembrança e alguma emoção, minha experiência do trabalho intelectual. Embora possa reconhecer na primeira fase diversos elementos formadores da trajetória, tenho a impressão de que não havia ainda se sedimentado uma vivência por inteiro do que seja o trabalho intelectual propriamente dito em sociologia.
Na dissertação de mestrado, publicada no início da década de 1970, a análise do processo de fabricação da cultura na televisão se voltava para as mensagens a serem decifradas em suas dimensões visual e social, a primeira delas impulsionando uma recuperação mais densa e matizada dos significados sociais. Apesar da boa receptividade ao trabalho na imprensa e entre os colegas, ficara insatisfeito com o argumento um tanto singelo com que busquei organizar as evidências coligidas. Fui me dando conta de que a leitura sociológica do material extraído das gravações se apoiava quase o tempo todo em informações externas à mensagem mesma que era o objeto central de estudo. Enquanto isso, buscava recuperar os significados embutidos no discurso televisivo, seguindo assim, literalmente, o receituário prescrito pelos defensores da análise semiológica e demais famílias de pensamento fascinadas pela lógica interna dos discursos. A despeito das limitações inerentes a esse tipo de abordagem, as maiores dificuldades eram minhas, consistindo, primeiro, numa tosca elaboração da dimensão iconográfica e, segundo, numa incipiente competência para lidar com recursos de uma análise estrutural e comparativa. Por força de tudo isso, estava dessa feita muito mais propenso a me bandear para o outro lado do processo de produção de cultura, ou seja, a tomar como objeto de investigação uma categoria social que fosse também produtora profissional de bens simbólicos.
E assim foi tomando corpo a pesquisa acerca dos intelectuais nas décadas de 1920, 30 e 40. De início, eu sabia muito mais o que não queria fazer, ou melhor, identificava as linhas de argumentação que me pareciam esquemáticas. Para tomar apenas um exemplo que acabou tendo certo impacto na montagem da explicação, estava (e continuo hoje) convencido de que a cobertura apologética algo orquestrada do movimento modernista, em especial a canonização das principais lideranças, escamoteava o perfil social de seus integrantes e, em conseqüência, se mostrava incapaz de captar as marcas dessa experiência no conteúdo de suas obras. Queria portanto me livrar dos esquemas implícitos nas diversas correntes da história e da crítica literárias. Em meio a essa atitude de recusa à adoção das versões eruditas e "humanistas" disponíveis acerca da vida intelectual brasileira do período, acabei enveredando por caminhos de prospecção que não havia de início identificado. Passei a acreditar que a exploração de veios inéditos de material traria subsídios instigantes a respeito dos intelectuais. Tratava-se de uma expectativa um tanto no atacado, sem que eu tivesse maior precisão quanto a como monitorar as pepitas e os pepinos porventura dispersos no material a ser investigado. Com tais disposições acabei definindo duas trilhas de garimpo cujos cruzamentos me pareciam àquela altura bastante problemáticos: o levantamento exaustivo da inserção dos intelectuais no setor público federal no período 1930-45 e a leitura das memórias e biografias dos intelectuais.
Na medida em que rechaçava as perspectivas macrossociais encampadas pelos modelos dominantes da historiografia e do ensaísmo literários, esse trabalhoso levantamento das nomeações me pareceu então ostentar os emblemas de um lastro empírico irrecusável, sobre o qual se poderia apoiar uma análise do relacionamento que os diferentes setores e categorias intelectuais passaram a manter com seus mentores políticos. Os resultados iniciais nessa direção foram bastante desanimadores. A canseira requerida pela apuração das nomeações para cargos públicos por meio do Diário Oficial da União não dava mostras de conduzir a lugar algum, todo esse esforço não encontrando de imediato uma contrapartida analítica satisfatória. A uma dada altura, entretanto, que correspondia aos meados da década de 1930, começou a adquirir uma feição característica o processo de constituição de redes de proteção e amizade, freqüentemente amalgamadas por jovens lideranças emergentes, tornando possível rastrear em bases sistemáticas os setores de trabalho e intervenção que então se abriam aos novos quadros daquela geração de intelectuais.
[...] À medida que avançava na absorção das informações contidas nesses gêneros, fui me dando conta de que o perfil familiar, afetivo, educacional e profissional dos intelectuais do período, que aos poucos ia ganhando contornos surpreendentes com base nessas leituras, era muitíssimo distinto do retrato encontradiço nas fontes tradicionais. A rigor não havia nenhuma inverdade nessas fontes, apenas silenciavam ou nem mesmo consideravam merecedoras de tratamento algumas informações cruciais em suas histórias de vida, como, por exemplo, o fato de muitos deles serem órfãos de pai, de outros tantos apresentarem um elenco diversificado de estigmas de toda ordem (físicos, emocionais etc.) ou, então, de terem um convívio tão íntimo e contagiante com o mundo das mulheres da elite ou a seu serviço. Esses e outros traços da experiência de vida dos intelectuais sob exame foram aos poucos dando rosto a uma versão ainda "selvagem" do que mais tarde seria o argumento central da tese a respeito dos laços que esses intelectuais mantinham com transes característicos das famílias em declínio da elite brasileira.
Na época, eu estava empolgado pelo desvendamento de inúmeros traços sociais que foram compondo um retrato até então desconhecido desses intelectuais. Esse material empírico fervilhante iria em seguida suscitar o desafio de lhe infundir um sentido interpretativo mais abrangente, em condições de discriminar padrões dotados de um maior poder de generalização, em torno dos quais se pudesse enganchar a riquíssima variedade de eventos detectados.
Após alguns meses de estada em Paris, meu orientador sugeriu que eu preparasse um roteiro exploratório com vistas a organizar os materiais coligidos segundo uma certa linha de argumentação. Fiquei excitado com a perspectiva de obter alguma reação ao que reputava "minhas descobertas" analíticas e, ao mesmo tempo, receoso pelo fato de que a maioria desses enlaces não tivesse sido até então utilizada em trabalhos de outros pesquisadores do grupo mais ligado ao mestre. Achava que tinha o ouro mas temia que fosse considerado uma espécie de contrabando. Transmiti minha preocupação aos assistentes, que nem se mostraram entusiásticos nem me desencorajaram de todo. Resolvi bancar o lance e exibir aquele lado menos "nobre" do material levantado.
A reação do "patrão" foi a melhor possível, quase de entusiasmo na escala dos costumes locais. Prossegui na mesma batida, às voltas com a leitura das memórias e biografias, buscando completar as lacunas de informação com os dados disponíveis em repertórios biobibliográficos, em dicionários especializados, em histórias literárias e políticas regionais e estaduais, construindo dessa maneira um teste das minhas hipóteses, tendo como grupo de controle uma quantidade maior de intelectuais do que o contingente de autores de memórias e de biografados. A proposta para que eu redigisse um artigo exploratório (que seria publicado na revista que então se iniciava, Actes de la Recherche en Sciences Sociales) forçou como que um teste completo do argumento que estava se armando, dessa vez tendo como objeto de análise um conjunto de escritores pré-modernistas designados no texto como anatolianos, em função das influências sofridas do modelo francês.
A redação desse artigo permitiu ensaiar algumas aproximações comparativas que mais tarde se revelaram fecundas para a maturação da visada sociológica sobre as elites brasileiras. O trabalho a respeito dos pré-modernistas propiciou o ensejo de pôr à prova a justeza do modelo de explicação que então se esboçava, no interior do qual constrições sociofamiliares se juntavam a experiências decisivas de intimidade com o universo feminino dos grupos dirigentes e a oportunidades subvencionadas de treinamento e socialização nas profissões intelectuais, num quadro de fundo marcado pelas instituições e demais condicionantes característicos de um mercado de bens culturais numa sociedade periférica. Esse misto de experimento-artigo teve também alguns inesperados desdobramentos de longo prazo.

Intelectuais à Brasileira
ISBN: 9788535901139Edição ou reimpressão: Editor: DiversosIdioma: Português, Português do BrasilDimensões: 160 x 229 x 28 mmPáginas: 440Tipo de Produto: Livro Classificação Temática: Livros em Português > Ciências Sociais e Humanas > Sociologia
X
Coloque aqui o seu comentário

Intelectuais à Brasileira

a sua avaliação:
X
Obrigado pela sua contribuição!

O seu comentário foi enviado para validação.

Nota:
A WOOK reserva-se ao direito de não validar textos que não se foquem na análise do conteúdo do livro ou produto. Caso pretenda colocar alguma questão sobre o artigo deverá fazê-lo através do Centro de Contacto.
X
imagem
X
wook deve saber

Promoção válida para o dia 20-01-2017

Saiba mais sobre preços e promoções consultando as nossas condições gerais de venda.

X
recomendar

Intelectuais à Brasileira de Sergio Miceli 

Para recomendar esta obra a um amigo basta preencher o seu nome e email, bem como o nome e email da pessoa a quem pretende fazer a sugestão. Se quiser pode ainda acrescentar um pequeno comentário, de seguida clique em enviar o pedido. A sua recomendação será imediatamente enviada em seu nome, para o email da pessoa a quem pretende fazer a recomendação.

A sua identificação:

A identificação da pessoa a quem quer recomendar este titulo:

Se pretende enviar esta recomendação para mais de um endereço de e-mail, separe na caixa anterior os endereços com ",". Ex: abc@abc.pt,xyz@xyz.pt

X
A sua recomendação foi enviada com sucesso!
X
Ocorreu um erro a obter a informação! Por favor tente mais tarde.
X
alerta de artigo novamente disponível

De momento, este produto não se encontra disponível no fornecedor. Caso o mesmo volte a ficar disponível, poderemos notifica-lo, bastando para tal que nos indique o seu endereço de email.

X
O seu pedido foi registado com sucesso.

Caso este produto fique disponível, será alertado por email

X
wook deve saber

Este eBook pode ser lido em qualquer dispositivo com browser, sem necessidade de fazer o download de qualquer software ou de possuir qualquer tipo de equipamento específico de leitura.
Após a compra, o eBook é disponibilizado de imediato na sua Biblioteca Wook, onde poderá ler e organizar todos os seus eBooks e à qual poderá aceder a partir do site WOOK ou da nossa aplicação (APP).
A versão web da Biblioteca Wook está otimizada para as versões mais recentes dos browsers Google Chrome, Internet Explorer, Safari, Firefox e Edge.

Para otimizar o acesso à sua Biblioteca Wook e ter acesso à opção de leitura em modo offline (sem ligação à internet) deverá instalar a nossa APP de leitura:

X
wook deve saber

Este eBook está encriptado com DRM (Digital rights management) da Adobe e é aberto na aplicação de leitura Adobe Digital Editions (ADE) ou em outras aplicações compatíveis.
Após a compra, o eBook é de imediato disponibilizado na sua área de cliente para efetuar o download.

Para ler este eBook num computador instale a aplicação Adobe Digital Editions.
Antes de instalar o Adobe Digital Editions, veja aqui o vídeo de ajuda:

Para ler este eBook em tablet e smartphone instale a aplicação Adobe Digital Editions para IOS ou Android.

X
wook deve saber

O PDF é um formato de arquivo digital desenvolvido pela Adobe e que disponibiliza uma imagem estática das páginas do livro e, independentemente do dispositivo de leitura, não redimensiona o texto ao tamanho do ecrã do dispositivo.

X
wook deve saber

O ePUB é um formato que proporciona uma excelente experiência de leitura dado que permite o redimensionamento do texto ao ecrã do dispositivo de leitura, aumentar ou diminuir o tamanho do texto, alterar o tipo de fonte, entre outras funcionalidades

X
subscrever newsletters
subscrever newsletters

Estimado(a) subscritor(a), de seguida irá receber, no endereço de email , uma mensagem com mais informações sobre esta subscrição.
Obrigado.

X
não encontrou wook procura?

Nós procuramos por si!

A sua identificação:

A identificação do livro que procura:

O seu pedido foi enviado com sucesso!
X
envie esta lista aos seus amigos

lista de desejos

A identificação da pessoa a quem quer enviar esta lista:

X
A sua lista de compras foi enviada com sucesso para .
X
selecione o livro adotado:
X
wook deve saber


Oferta de portes, ou devolução do valor em cartão, para Portugal continental em CTT Expresso Clássico ou Rede Pickup. 30% de desconto, ou devolução em cartão, nos envios para as ilhas dos Açores e Madeira, em CTT Expresso Clássico. Tipos de envio disponíveis para encomendas até 10 kg.

Promoção válida para encomendas de livros não escolares registadas até 31/12/2017. Descontos ou vantagens não acumuláveis com outras promoções.

X
wook deve saber


A devolução do valor dos portes de envio, em cartão Wookmais, será efetuada 18 dias após a faturação. Oferta válida para uma encomenda com entrega em Portugal.

X
wook deve saber


EM STOCK – ENVIO IMEDIATO
Se a sua encomenda for constituída apenas por produtos com esta disponibilidade e for paga até às 16 horas de um dia útil, será processada de imediato e enviada para o correio no próprio dia. Encomendas pagas após as 16 horas passarão para o processamento do dia útil seguinte. Esta disponibilidade apenas é garantida para uma unidade de cada produto e até 15 minutos após o registo da encomenda.

ENVIO ATÉ X DIAS
Esta disponibilidade indica que o produto não se encontra em stock e que demorará x dias úteis a chegar do fornecedor. Estes produtos, especialmente as edições mais antigas, estão sujeitos à confirmação de preço e disponibilidade de stock no fornecedor.

PRÉLANÇAMENTO
Os produtos com esta disponibilidade só serão enviados na data indicada. Normalmente são entregues no data de lançamento.

DISPONIBILIDADE IMEDIATA
Tipo de disponibilidade associada aos eBooks, que são disponibilizados de imediato, após o pagamento da encomenda, na sua biblioteca.

Para calcular o tempo de entrega de uma encomenda deverá somar à disponibilidade mais elevada dos artigos que está a encomendar o tempo de entrega associado ao tipo de envio escolhido.

X
a sua lista de desejos encontra-se vazia

Adicione à sua lista de desejos todos os produtos que deseja comprar mais tarde, envie-a aos seus amigos antes do seu aniversário, Natal ou outras datas especiais - quem sabe se eles o surpreendem!

Seja informado sobre promoções destes produtos

X
Ocorreu um erro

Por favor tente novamente mais tarde.

X
atingiu o limite máximo de dispositivos autorizados

Por favor, aceda à area de cliente para gerir os dispositivos ativos.

X
wook deve saber


WOOK É O CHECKOUT EXPRESSO?
Esta modalidade de checkout permite-lhe comprar em dois cliques, seguindo diretamente para a confirmação de encomenda.

COMO FUNCIONA?
A encomenda é pré-preenchida com os dados que habitualmente utiliza - morada faturação, morada de entrega, forma de envio e tipo de pagamento. Para finalizar o processo, necessita apenas de confirmar os dados.

POSSO UTILIZAR OS MEUS VALES?
Vales e outros descontos que se encontrem no prazo de validade, serão igualmente considerados automaticamente na encomenda.

CONSIGO ALTERAR OS DADOS DA ENCOMENDA?
Sim. Antes de confirmar, tem ainda a possibilidade de alterar todos os dados e opções de compra.

EXCEÇÕES
O botão do Checkout Expresso só será visível se:
  • Selecionar previamente, na Área Cliente, as moradas habituais de envio e de faturação;
  • Associar uma conta wallet, quando a morada de envio selecionada é no estrangeiro;
  • Não incluir artigos escolares na encomenda.