Como Criar Riqueza

A competência do gestor na economia real

de Leandro Pereira

editor: Bnomics, maio de 2014
ESGOTADO OU NÃO DISPONÍVEL
VENDA O SEU LIVRO i
Como Criar Riqueza é um livro notável, oportuno e incontornável. Leandro Pereira, um dos mais brilhantes gestores e académicos da sua geração, considera que nascemos com uma mesada no bolso, crescemos com fundos comunitários e gerimos com base nos orçamentos aprovados. É assim que uma geração perde a competência de CRIAR RIQUEZA. Porque há orçamento, o princípio mais elementar do retorno económico é colocado em segundo plano e o desperdício em vaidades, imediatismos e interesses pessoais é assombroso. Como sempre tivemos a mesada do orçamento, quando não temos, exigimos porque estamos habituados a este modelo de sobrevivência de luxo. Podemos controlar todos os orçamentos, premiar até os gestores porque não gastaram mais do que o que lhes demos, mas, se não criarmos riqueza, o precipício é como a gravidade, podemos não dar conta, mas está lá e é inevitável.

Como Criar Riqueza

A competência do gestor na economia real

de Leandro Pereira

Propriedade Descrição
ISBN: 9789897131219
Editor: Bnomics
Data de Lançamento: maio de 2014
Idioma: Português
Dimensões: 169 x 235 x 6 mm
Encadernação: Capa mole
Páginas: 152
Tipo de produto: Livro
Classificação temática: Livros em Português > Economia, Finanças e Contabilidade > Economia Livros em Português > Gestão > Gestão e Organização
EAN: 9789897131219
e E E E E

Uma fraude…

Nuno Roboredo

Parece um trabalho feito à pressa por um aluno com muito pouco rigor. Os conceitos são atirados para o texto sem grande enquadramento nem fio condutor. Fala de “As etapa” de um “Business Case” em 3 sítios diferentes: pags. 51, 55 e 59. Mas enumera sempre etapas diferentes em cada uma das 3 vezes. Uma conclusão não deve introduzir conceitos novos que não foram explicados nos capítulos de desenvolvimento do livro, no entanto a última secção do último capítulo (a conclusão) tem como título: “A importância de Strategic Portfolio Office”, sem que haja uma única referência a este “Office” nos capítulos anteriores. O Glossário tem conceitos que não são referidos em parte nenhuma do livro (ex: Work Breakdown Structure - WBS) e não tem conceitos específicos da gestão que são referidos no livro (ex: Product Breakdown Structure - PBS; Benefit Cost Ratio - BCR). As percentagens de confiança e de risco aparecem caídas do céu. Não consigo perceber como se chegam aos valores “com 95% de confiança”. Como é que se calcula este grau de confiança? Na página 68 apresenta, entre outros, estes dois conceitos: BCR – “Rácio benefício-custo o qual tem como interpretação conceptual, para cada euro investido quanto é que o projeto devolve”; ROI – “Retorno de investimento, isto é, percentualmente quanto é que investimento cria de valor de forma relativa.” No Glossário (Página 87) também apresenta o ROI, mas desta vez parece-se mais com o conceito BCR: “consiste no valor de retorno de um investimento, ou seja por cada euro investido quanto é que o projeto valoriza” Afinal o que é o ROI? Nos anexos B, C e D estava à espera de encontrar exemplos concretos de “Business Cases” que me servissem de guia. Mas foi a desilusão completa… Uma grande parte dos textos são iguais nos 3 casos: copy/past uns dos outros. Em vez de se restringir à aplicação prática dos conceitos (de preferência com um mínimo de rigor) volta a ser explicada teoria sobre os conceitos empregues. Mas o pior de tudo é que os exemplos fictícios que são apresentados são ridículos – não têm qualquer paralelo com a realidade – e por isso servem apenas para expor novamente os conceitos, mas de nenhuma utilidade prática. Além da falta de cuidado com as datas e com os valores: Pag 112: respostas ao inquérito – Sim:35%; Não: 70% – houve 105% de respostas! A própria questão é absurda: “Considerando o lançamento de um novo produto da marca «Hitech», um Tablet, estaria disposto a comprá-lo pelo preço de 350€?” Quem é que responde a esta pergunta com o mínimo de rigor sem sequer conhecer o produto? Pode estar fora do âmbito do livro a forma de recolha de informação fidedigna para alimentar os cálculos da teoria que sustenta o uso dos “Business Case”. Mas sem essa informação fidedigna, o “Business Case” tem pouco ou nenhum valor. Até pode destruir valor se sustentar uma má decisão, com base em informação errada. Obter informação fidedigna não é nada fácil e a questão é abordada no livro de forma absolutamente leviana. Por isso, desengane-se quem, como eu, estava à espera de encontrar um guia ou exemplos sérios para aplicação real. O anexo D é um bom exemplo de como se pode sustentar uma má decisão com um “Business Case” (mas no livro é uma boa decisão): Apresenta o caso de um supermercado que pretende reduzir custos e para isso o business case chega à conclusão que o envio de copões de desconto por carta pode ser substituído por um sistema de envio por email e que isso é uma decisão acertada. Está-se mesmo a ver os clientes desse supermercado a imprimirem os copões em casa para terem descontos no supermercado ou a procurarem o email que receberam, nos seus smartphones, na fila do supermercado… O valor eventualmente criado pelo departamento de marketing em campanhas promocionais seria destruído por este magnífico “Business case”. Mais coisas haveria para dizer sobre as incoerências deste livro. Eu sou um leigo em termos de gestão. Não tenho formação específica nesta área do conhecimento. Admira-me como é possível um Doutorado na área, com um curriculum brilhante, como é o caso do Dr. Leandro Pereira não ter vergonha de apresentar este livro… Este mundo está cheio de bluffers…

Leandro Pereira

Leandro Pereira é Professor Associado com Agregação na área de Estratégia no ISCTE. É ainda CEO e Fundador da WINNING Consulting. Doutorado em Gestão com Especialização em Gestão de Projetos. Com mais de 200 publicações científicas indexadas e mais de 10 livros publicados. Orador e professor especialista em gestão e estratégia.

(ver mais)