Poema: Primeiro: continuar. Segundo: começar

Uma novidade no universo da poesia portuguesa dado à estampa pela Assírio & Alvim.

PRIMEIRO: CONTINUAR. SEGUNDO: COMEÇAR

Se não escrevo, leio.
Não descanso até encontrar
o poema que me alivie.
Encontrarei palavras
que me emprestem sentido.

É um modo de sobrevivência que pratico,
procurar casas dentro de casa.
Transporto uma candeia discreta e vejo
nos poetas-irmãos e nos poetas-amantes,
sossego para as emoções que me fazem cerco.

Fecharei os olhos
quando me sentir iluminada por dentro.

Marta Chaves, Varanda de Inverno

Livros relacionados

Wook está a dar

Subscreva!