«Isto», por Fernando Pessoa

A 13 de junho de 1888 Maria Madalena Pinheiro Nogueira deu à luz Fernando António Nogueira Pessoa, aquele que viria a ser considerado um dos maiores poetas da língua portuguesa e figura central do Modernismo. Hoje, assinalamos a efeméride com um dos nossos poemas favoritos:
ISTO

Dizem que finjo ou minto
Tudo o que escrevo. Não.
Eu simplesmente sinto
Com a imaginação.
Não uso o coração.

Tudo o que sonho ou passo,
O que me falha ou finda,
É como que um terraço
Sobre outra coisa ainda.
Essa coisa que é linda.

Por isso escrevo em meio
Do que não está ao pé,
Livre do meu enleio,
Sério do que não é.
Sentir? Sinta quem lê!

Fernando Pessoa, Cancioneiro: Uma Antologia

Livros relacionados

Wook está a dar

Subscreva!