Ir é o melhor remédio

Esta é uma visita guiada ao Algarve. Feita na primeira pessoa. «Ir é o melhor remédio - Algarve» é um roteiro que revela um Algarve desconhecido e que redescobre, com outros olhos, o Algarve que já se julgava conhecer. Com centenas de fotos, números de telefone, preços e mapas. E nem por isso vai deixar de se perder!
Ir É o Melhor Remédio - Algarve
Capa do livro Ir é o melhor remédio - Algarve
Amor e cabanas
São 7 quilómetros de areia para andar ou estender a toalha. Há barcos pequenos a fazer a travessia de uns minutos através do canal da ria formosa, entre Cabanas de Tavira e a praia. A povoação urgiu com as campanhas da pesca do atum e continua a ser terra de pescadores, de corpo e alma com a ria. Barcos de pesca artesanal são às dezenas em frente à marginal. E Cabanas pode gabar-se de ter restaurantes de topo a competir entre si, com peixe fresco, ostras e ameijoas dos viveiros ali ao lado.

S. João da Barra: a fortaleza misteriosa
A silhueta do forte, em estrela de quatro pontas, meio escondido pelo mato, acende-se por caminhos de terra batida. A primeira construção, de 1656, enfrentava os piratas do mar largo. Foi destruída no terramoto de 1755, que também revolveu a costa. Reconstruído décadas mais tarde, teve funções militares até 1897. E durante o século XX, o Forte de São da Barra manteve sempre um ar enigmático, inspirador de temor e desejo.
Aventuras na falésia: As Caveiras flutuantes
Foram precisos milhões e milhões de anos de erosão costeira para produzir este resultado. O tempo, esse grande escultor, e o povo, esse grande inventor, juntam-se aqui em grandes espetáculos diários. O guia António vai indicando os nomes que a imaginação popular inventou para entreter os turistas. Como uma aldeia de rocha, as grutas têm casas como divisórias. O local de culto é uma gruta larga de águas turquesas a que chamam catedral. Conseguimos ser o único barco ali durante três minutos inteiros. Mais adiante, o guia indica uma zona rochosa com três cavidades: é a “mascara”, de olhos, boca e nariz escavados na rocha. Ali do outro lado, uma “caveira” abre a bocarra para a onda entrar. Parece que flutua sobre o mar. O passeio vive-se como uma aventura teatral, com museu e esculturas contemporâneas ao ar livre. Referências zoológicas e literárias crescem na vertical. Que faria Shakespeare com este cenário? Quando ir? De preferência em julho e setembro. Em agosto, a quantidade de barcos e canoas torna a visita mais barulhenta e stressante.
O que fazer em família:
Piratas sem espada
Quem quer ser pirata? Um passeio no veleiro Leãozinho torna a viagem pela costa uma experiência completamente diferente. É uma aventura onde cada família pode, se quiser, recriar personagens e imaginar-se nos desenhos animados do Peter Pan. Quem não está para grandes invenções pode deixar-se embalar pela navegação silenciosa e tranquila. E conhecer, com calma, a costa em família, a partir da marina de Albufeira. Outras opções podem ser:
Passeios de Burro na costa vicentina;
Diversão canina Piratas sem espada;
Os flamingos de Castro Marim.
Ir É o Melhor Remédio - Algarve
A autora do livro, Teresa Conceição
Como utilizar este livro?
Para começar, pode ser muito útil como base para copos. Conheço muito cocktail que o não desprezaria. Ou calço de mesa – esplanadas desniveladas existem por todo o lado. E isto é o que diz a autora, em exercício de autoflagelação.
Booktrailer do livro Ir é o melhor remédio

Livros relacionados

Wook está a dar

Subscreva!