Wook.pt - Submissão

Submissão

de Michel Houellebecq 

avaliação dos leitores ( 7 comentários)
18,90€
10%
Portes
Grátis
em stock
10% de desconto em CARTÃO
Em stock - Envio imediato
portes grátis
Sinopse

Paris, 2022: François, investigador universitário, cumpre desapaixonadamente o ofício do ensino enquanto leva uma vida calma e impermeável a grandes dramas, uma rotina de quarentão apenas ocasionalmente inflamada pelos relacionamentos passageiros com mulheres cada vez mais jovens. É também com indiferença que vai acompanhando os acontecimentos políticos do seu país.
Às portas das eleições presidenciais, a França está dividida. O recém-criado partido da Fraternidade Muçulmana conquista cada vez mais simpatizantes, graças ao seu carismático líder, numa disputa directa com a Frente Nacional. O país obcecado por reality shows e celebridades acorda por fim e toma de assalto as ruas de Paris: somam-se os tumultos, os carros incendiados, as mesas de voto destruídas. Afastado da universidade pela nova direcção, deprimido, François retira-se no campo, onde espera deixar de sentir as ondas de choque da capital. Regressa a Paris poucos dias depois do desfecho eleitoral e encontra um país que já não reconhece. É tempo de questionar-se sobre se deve e pode submeter-se à nova ordem.
Submissão convida a uma reflexão sobre o convívio e conflito entre culturas e religiões, sobre a relação entre Ocidente e Oriente, sobre a relação entre cidadãos e instituições. Um romance que, como é habitual na obra do autor, adianta-se ao seu tempo e coloca questões prementes, hoje mais relevantes do que nunca. Michel Houellebecq confirma-se nestas páginas como um pensador temerário, capaz de detectar as grandes tensões do nosso tempo, interpretando-as com lúcida ironia.
Uma fábula política e moral surpreendente, Submissão é o romance mais visionário e simultaneamente mais realista de Michel Houellebecq.

  • Submissão
    Fernando Martins (http://tambemdeesquerda.blogs.sapo.pt) | 21-06-2016

    No teatro, o encenador escolhe (podendo) o actor que melhor possa encarnar a personagem da peça a levar à cena; no cinema, o mesmo se passará com o realizador. O actor escolhido, num caso como no outro, poderá nada ter em comum com a personagem a quem vai emprestar a sua voz, a sua emoção e a sua expressão corporal, podendo até dar-se o caso de ter uma visão do mundo e uma filosofia de vida em tudo opostas às da personagem em questão. Do mesmo modo, o encenador e o realizador não têm necessariamente que simpatizar com a personagem da peça e com as suas opiniões ou atitudes – outros factores serão determinantes da escolha que fazem: qualidade intrínseca do texto, oportunidade temporal, popularidade do tema e perspectiva de facturação. E no romance, na novela, no conto? Claro que o autor tem, em princípio, total liberdade de escolha dos temas, do tempo e do lugar da acção, da intriga, das personagens, da "ciência" do seu narrador e do seu grau de participação na narrativa. E, não menos claro, o autor, que se presume (sem ironia) um cidadão honesto, pode muito bem pôr-se na pele de um malfeitor da pior espécie e confiar-lhe o foco narrativo da sua ficção. Pode mesmo fazê-lo tão eximiamente que os seus leitores suspeitarão da sua eventual adesão àquele modo de vida. Mas é mais do que provável que os leitores estarão, nesse caso, enganados. O autor apenas deu expressão literária a construções mentais que, sem isso, não passariam de divagações votadas ao desaparecimento. Suponho que, até aqui, os meus leitores concordarão comigo. Pretendo, contudo, levar a minha reflexão um pouco mais além. Imagine-se um autor que, sistematicamente, isto é, em romances sucessivos, urde intrigas em que o narrador dá, de determinado grupo social, de determinada comunidade, uma imagem susceptível de causar inquietação, sendo que tal imagem reproduz, aliás, os mesmíssimos traços que estão já presentes na imagética corrente da comunicação social e que caracterizam, desde há muito, o discurso do senso comum; imagine-se que esse autor constrói sistematicamente personagens femininas, se não relativamente frívolas, pelo menos suficientemente ligeiras para darem a franca impressão de existirem apenas para satisfazer o instinto reprodutor masculino; imagine-se ainda que o autor em questão confia a narração das suas histórias a narradores de primeira pessoa, induzindo a sensação de com eles se identificar, sensação confirmada por declarações do próprio autor; imagine-se, enfim, que esses narradores expendem opiniões que reforçam a ideia já veiculada pelas imagens atrás referidas, isto é: que manifestam preconceitos étnicos e culturais, sexistas e homofóbicos. Poder-se-á dizer que o autor não tem que limitar a um só romance, a uma só novela, a um só conto a experiência da "entrega" da sua história a um narrador desqualificado. É verdade. Pode repetir a sua experiência por quantos quiser. Mas lá que dá que pensar... dá. Como já se percebeu, estou a falar de Michel Houellebecq e do seu último romance. Ressalvando que apenas li os dois últimos romances deste autor – A Possibilidade de uma Ilha e Submissão –, numa breve consulta à Wikipédia constato que, se tivesse lido os outros, sobretudo Les Particules Elémentaires, a minha opinião apenas sairia reforçada. Submissão é um romance com mérito diegético, isto é, é uma história bem contada, bem construída, apta a convocar a atenção do leitor, repleta de condimentos próprios para estimular o interesse e que, exceptuando a particularidade de se situar num tempo que ainda não chegou (2022), respeita muito convenientemente, e apesar dessa inverosimilhança fundamental, os constrangimentos da verosimilhança. Do ponto de vista do estilo, a escrita de Houellebecq é do género despojado. Visivelmente, não é o que o autor privilegia na sua prática literária, e não é por aí que eu lhe assacaria especial acusação. Para recorrer a uma nomenclatura dicotómica que aprendi numa entrevista ao escritor espanhol Carlos Castán (Ípsilon de 3/7/2015), "há escritores do como e outros do quê". Houellebecq faz certamente parte dos segundos, o que não julgo ser motivo de vergonha, ainda que, pessoalmente, sinta uma especial admiração pelos cultores dos recursos da língua. Há, ainda assim, um pormenor da escrita de Houellebecq suscitador de certo incómodo. Trata-se do facto de o autor, não sempre, mas com relativa frequência, alongar períodos que deveriam ser subdivididos. Atente-se neste exemplo: "Acordei às quatro horas da manhã, depois do telefonema da Myriam acabara de ler En Ménage, o livro era sem dúvida uma obra-prima, tinha dormido pouco mais que três horas." Julgo evidente que há aqui quatro ideias bem marcadas, todas elas perfeitamente expressas e relativamente independentes, sendo que as duas últimas poderiam, eventualmente, ser coordenadas: "Acordei às quatro horas da manhã. Depois do telefonema da Myriam, acabara de ler En Ménage. O livro era sem dúvida uma obra-prima e eu tinha dormido pouco mais que três horas." Ainda tentei encontrar em Saramago algo de semelhante, mas parece-me que não: a pontuação de Saramago, tirando a que está relacionada com a modalidade de discurso directo ou com a interrogação, é uma pontuação subordinada às exigências da lógica sintáctica, e os desvios referidos foram transformados em norma pelo escritor, pelo que já não se estranha; em Houellebecq, aquela estruturação surge inopinadamente aqui e ali, sem carácter sistemático, sem que se possa associá-la a um particular e momentâneo estado de espírito. Esta ocorrência aparentemente não motivada e errática funciona, por isso, como ruído. Vamos, porém, a alguns pormenores da história. O narrador de Submissão, François, começa por se apresentar como tendo-se doutorado com uma tese sobre Huysmans, autor que comentará ao longo da narrativa e que lhe servirá de detonador ou pretexto para desenvolvimentos em que avultam as considerações sobre as mulheres. Reflectindo sobre a mudança que esse doutoramento determina na sua vida - fim da juventude e entrada na vida profissional - confessa que essa mudança não lhe "agradava absolutamente nada". Tece, depois, considerações valorativas sobre as artes e, em particular, sobre a especificidade da literatura, "arte maior de um Ocidente que está a acabar diante dos nossos olhos". Nos capítulos seguintes acrescenta-se ao retrato do narrador o traço curto e grosso da sua visão instrumental da mulher – ser subalterno e sempre sujeito à valoração masculina –, introduz-se o tópico da hegemonia da comunidade islâmica e dos pró-muçulmanos em França, debitam-se considerações de índole machista ("nunca me convenci de que seja uma boa ideia as mulheres poderem votar, estudar tal como os homens, aceder às mesmas profissões, etc.") e faz-se a apologia do patriarcado. A temática da eleição presidencial torna-se prevalecente na narrativa, que refere confrontos étnicos em pleno Paris e o receio de uma guerra civil. Acontece a primeira volta da eleição. A Frente Nacional conquista o esperado 1.º lugar, com 34,1%, mas, inesperadamente, o PS é ultrapassado pela Fraternidade Muçulmana (FM). Consciente de que a realidade político-institucional francesa vai sofrer profundas transformações, François estranha a calma despreocupação dos colegas. Não é o caso de Marie-Françoise cujo marido, funcionário da DGSI, sabe das difíceis negociações entre o PS e a Fraternidade. Sucintamente, os dois partidos concordam em quase tudo, excepto no domínio do ensino, porque a FM pretende que todas as crianças francesas tenham ensino islâmico, que os professores sejam muçulmanos e que os programas respeitem os ensinamentos do Corão. Apesar disso, o funcionário acredita que acabarão por chegar a acordo, na base do "desdobramento escolar", a saber: rede pública de ensino laico e rede privada de ensino islâmico, sendo que a primeira, privada de recursos, seria a prazo absorvida pela segunda, mesmo sem recurso a contratos de asociação (...). Pelo sim pelo não, François transfere a sua conta para um banco estrangeiro, o Barclays. A problemática da eleição virá a afectar consideravelmente a própria vida privada do narrador. Com efeito, após nova reflexão sobre Huysmans e a sua categorização das mulheres, a vida monástica, a sua própria degradação física, â medida que a idade avança, e a líbido como sua única fonte de prazer, François recebe Myriam, a jovem namorada judia, em sua casa. Entre duas cenas de sexo, Myriam informa-o de que vai partir para Israel com os pais, o que inquieta François. No mesmo dia, ele encontra a sua faculdade fechada e é um vigilante senegalês seu amigo que lhe afiança que não abrirá nas próximas semanas. Confirmada a nova configuração política da França, François constata que a única mudança significativa é o facto de as mulheres terem todas passado a usar calças com bata sobreposta. Todavia, algum tempo depois, é informado de que não poderá continuar a leccionar numa Sorbonne islamizada. Opta por se aposentar, contrariamente ao seu colega Steve, que se convertera e até o informa de que vai ter uma segunda esposa. O recurso a acompanhantes, inclusive aos pares, não se revela remédio eficaz para o tédio que progressivamente conquista François. A situação política interna revela-se auspiciosa, com o decréscimo da delinquência e do desemprego, se bem que este último factor se deva à saída das mulheres do mercado de trabalho. No ensino, verifica-se uma redução da escolaridade obrigatória para os doze anos de idade – escolaridade primária. Desocupado, entediado, socialmente isolado e doente, François pensa no suicídio. Neste estado de espírito, produz declarações como esta: "A humanidade não me interessava, até me desagradava muito, não considerava de todo os humanos meus irmãos, e ainda menos se tivesse em conta uma fracção mais restrita da humanidade, por exemplo os meus compatriotas ou os meus antigos colegas" (p. 183). Robert Rediger convida François a reintegrar o corpo docente da nova Sorbonne, agora dirigida por si. Sendo condição para tal que François se converta, os dois homens entabulam uma demorada conversa sobre a crença em Deus, o ateísmo e as diferenças entre o cristianismo e o islamismo, passando pela reiterada ideia da decadência da Europa e da submissão da mulher ao homem e deste a Deus, que caracteriza o islamismo e lhe confere a capacidade de proporcionar o máximo de felicidade humana, o que faz dele uma religião superior. François vai a Bruxelas, no rasto de Huysmans. Também na Bélgica os muçulmanos tinham chegado ao poder. Em conversa com Rediger, toma conhecimento de que Líbano, Egipto, Líbia e Síria vão integrar a União Europeia, mas é sobretudo a poligamia que os ocupa. François confessa que, se não tinha grandes expectativas quanto ao futuro da sua vida intelectual, talvez pudesse vir a interessar-se por "outra coisa", que se presume ser o casamento com várias mulheres. O último capítulo do romance é redigido no condicional, mas presume-se que o desenrolar dos acontecimentos aqui enunciado como possibilidade tem fortes probabilidades de se actualizar conforme previsto, ou seja: François aceita o lugar de professor na nova Sorbonne, converte-se ao Islão e sonha com as alunas que virá a desposar. Concluído este sobrevoo da narrativa, impõe-se um apanhado do que, descontada a trama romanesca, aflora como substância ideológica do romance. Deixarei de lado as ocorrências numerosas, cruas e sugestivas das cenas de sexo, bem como o medo de crescer, que, confessado, fica bem à personagem, mas não augura sobre ela nada de muito positivo, o que é confirmado pelo facto de François discutir permanentemente a situação política, reconhecer que o futuro do seu país está dependente do resultado eleitoral, mas em nenhum momento encarar sequer a hipótese de exercer o seu direito de voto. O principal leitmotiv de Submissão é mesmo o do ocaso do Ocidente, presente desde o capítulo inicial e que virá a ser complementado com o da islamização imparável da sociedade francesa e da sociedade europeia, em geral. As considerações de índole machista e a apologia do patriarcado são apenas duas das manifestações mais evidentes de uma assimilação cultural, conseguida graças à apatia e passividade dos Franceses. Neste contexto, a referência à nacionalidade do vigilante senegalês da Sorbonne tende a conferir ao quadro demográfico francês um exotismo capaz de infundir o temor da invasão por estrangeiros, sobretudo muçulmanos e negros. Paralelamente, a relativização recorrente do valor ético e civilizacional do Ocidente cristão e do Islão tende a acentuar a ideia da progressiva aculturação do primeiro a favor do segundo, e a efabulação em torno das vitórias eleitorais sucessivas dos partidos islâmicos enfatiza a ideia da invasão da Europa. Redigido num estilo neutro e avesso a marcas de emotividade, como se a dupla narrador/autor estivesse efectivamente rendida à hegemonia do Islão, Submissão corrobora claramente a ideia amplamente difundida no senso comum da sociedade francesa de que o país está a perder a sua identidade, a favor da cultura muçulmana, quando, na realidade, esta comunidade representa uma pequena parcela das populações dos diferentes países europeus e os autóctones islamizados não passam de uma ínfima minoria. Para quem é regularmente submetido à provação dos discursos xenófobos, Submissão não passa de um trombone desta sinistra orquestra. Voltando à comparação com o encenador e o realizador, Houellebecq não tem necessariamente que simpatizar com a sua personagem: a oportunidade temporal, a "popularidade" do tema e a perspectiva de facturação poderão ter sido factores determinantes da escolha. Infelizmente, a sua escolha leva água a um moinho que mói os grãos da intolerância e faz parelha com a moedura da Frente Nacional.

  • Perturbadoramente plausível
    Ana Ferreira | 13-01-2016

    Este foi o primeiro livro que li de Houellebecq. O tema interessava-me (a França democraticamente conquistada por um partido muçulmano) mas não tinha expectativas demasiadamente grandes, depois de ter lido comentários a outros livros dele, e artigos de jornal que enfatizavam o lado polémico do autor. Este Submissão acabou por ser uma agradável surpresa. A escrita simples (sem ser simplista), direta, por vezes bastante crua, a ironia e a crítica política, social e religiosa muito diretas, foram tudo coisas que me agradaram bastante. Gostei da utilização de personalidades reais da política e jornalismo franceses atuais (Marine le Pen, François Hollande, David Pujadas, entre muitos outros) para compor o cenário inicial perturbadoramente plausível: uma assustadora ascenção da extrema direita, a perda progressiva de peso do centro-esquerda e centro-direita e a ascenção de um partido muçulmano moderado, que acaba por subir ao poder, principalmente pela mão da esquerda, como forma de evitar a vitória da extrema direita... Esta primeira parte do livro é muito boa, mas a parte final acabou por me desapontar, pareceu-me que a história se desenrolou de forma apressada e menos consistente, em especial por praticamente ignorar a mais do que previsível reação das mulheres à crescente islamização e da sociedade em geral à poligamia e casamento de raparigas menores de idade. Julgo que o machismo do autor (que é bem patente na forma como retrata as mulheres neste livro) seja em parte responsável por este precipitar dos acontecimentos, e é uma pena, porque toda a estrutura inicial do livro é bem interessante e dá muito que pensar. Por vezes foi difícil não me sentir irritada com este machismo, mas fico contente por ter conseguido colocar isto de lado e não deixar que me tirasse o prazer de apreciar o livro. Afinal, tenho a certeza que há muitos homens (e algumas mulheres) a pensar assim, e é sempre curioso perceber como pensam. No todo, foi uma leitura muito agradável, para além da boa escrita e do sarcasmo e provocação, gostei das referências literárias e filosóficas (terminei o livro com vontade de ler Huysmans e Nietzsche), que aparecem de forma tão natural, e sem qualquer pedantismo, totalmente a propósito do enredo.

  • Submissão dos povos
    Manuel Duarte | 06-01-2016

    Um livro com uma ideia de base simples que faz todo sentido. O da França tornar-se uma democracia muçulmana em 2022. É uma hipótese artméticamente possível, dada a sua progressiva decadência, falta de força da mesma e as especificidades da religião muçulmana: Mais descendentes + mais crença+mais disciplina= Submissão dos povos.

  • Vale a pena
    poi | 06-06-2015

    Faz-nos refletir sobre a multiculturalidade. Sem dúvida um livro bom para analisar.

  • Opinião
    Manuel Luis | 07-05-2015

    Um livro que retrata o islamismo na Europa, sobretudo em França, a não perder.

  • Os possíveis submissos...
    Luís Santos | 01-05-2015

    Houellebecq é uma das estrelas do actual panorama literário francês, vencedor do principal prémio literário - o Goncourt, em 2010. Ao mesmo tempo, é uma figura polémica, não escondendo a vontade de protagonismo. A história gira em torno de umas eleições em que se confrontam a extrema-direita (Frente Nacional) e um partido islamista relativamente moderado. Quando este ganha as eleições e forma governo, com o apoio do PS, muitas mudanças, umas mais óbvias, outras subliminares, começam a ter lugar na sociedade francesa. Desde logo, na educação, com muitos professores não islâmicos a serem despedidos - o que mostra como a educação se pode transformar rapidamente num campo de batalha ideológico, como temos visto em Portugal, com responsáveis a porem em causa princípios básicos de uma sociedade aberta e democrática, e os progressos das ciências da educação do último século. No caso do livro, com a imposição da conversão dos professores, ou o seu afastamento. A obra não é, no sentido estrito, uma obra "política" - não é esse o seu foco principal, mas o impacto que tem na vida dos personagens: no plano das relações afectivas, na vida académica, nos círculos literários, nos costumes,... A parte mais inquietante é sobre a reacção das pessoas face à emergência de ambientes opressivos: os indiferentes, os corajosos, os pusilânimes, os colaboracionistas, os vira-casacas... remetem, de alguma forma para a situação paralela, ainda mal resolvida na consciência colectiva francesa, da reacção à ocupação nazi durante a II Guerra, e pode pensar-se na reacção dos trabalhadores numa empresa com um patrão despótico e na solidariedade, ou falta dela, face a colegas despedidos. Ou no "respeitinho" do Portugal pré-25 de Abril. É um livro que não tem uma leitura única, e em que cada leitor valorizará aspectos diferentes, mas em que encontrarão, certamente, interesse nesta espécie de alegoria de um futuro possível.

  • Confronto
    P. Morais | 08-04-2015

    Um exercício de ficção que nos confronta com a diferença politicamente estruturada no binómio ocidente-oriente, igual-diverso, inclusão-exclusão. Em suma, uma obra que nos coloca perante o "outro".

  • ver menos comentários ver mais comentários
Submissão
ISBN: 9789898775276Edição ou reimpressão: Editor: Alfaguara PortugalIdioma: PortuguêsDimensões: 150 x 239 x 17 mm Encadernação: Capa mole Páginas: 310Tipo de Produto: Livro Classificação Temática: Livros em Português > Literatura > Romance
X
Coloque aqui o seu comentário
Submissão
a sua avaliação:
X
Obrigado pela sua contribuição!

O seu comentário foi enviado para validação.

Nota:
A WOOK reserva-se ao direito de não validar textos que não se foquem na análise do conteúdo do livro ou produto. Caso pretenda colocar alguma questão sobre o artigo deverá fazê-lo através do Centro de Contacto.
X
imagem
X
wook deve saber
Promoção válida para o dia 23-03-2017

Saiba mais sobre preços e promoções consultando as nossas condições gerais de venda.
X
recomendar
Submissão de Michel Houellebecq 
Para recomendar esta obra a um amigo basta preencher o seu nome e email, bem como o nome e email da pessoa a quem pretende fazer a sugestão. Se quiser pode ainda acrescentar um pequeno comentário, de seguida clique em enviar o pedido. A sua recomendação será imediatamente enviada em seu nome, para o email da pessoa a quem pretende fazer a recomendação.

A sua identificação:

A identificação da pessoa a quem quer recomendar este titulo:

Se pretende enviar esta recomendação para mais de um endereço de e-mail, separe na caixa anterior os endereços com ",". Ex: abc@abc.pt,xyz@xyz.pt

X
A sua recomendação foi enviada com sucesso!
X
Ocorreu um erro a obter a informação! Por favor tente mais tarde.
X
alerta de artigo novamente disponível

De momento, este produto não se encontra disponível no fornecedor. Caso o mesmo volte a ficar disponível, poderemos notifica-lo, bastando para tal que nos indique o seu endereço de email.

X
O seu pedido foi registado com sucesso.
Caso este produto fique disponível, será alertado por email
X
wook deve saber
Este eBook pode ser lido em qualquer dispositivo com browser, sem necessidade de fazer o download de qualquer software ou de possuir qualquer tipo de equipamento específico de leitura.
Após a compra, o eBook é disponibilizado de imediato na sua Biblioteca Wook, onde poderá ler e organizar todos os seus eBooks e à qual poderá aceder a partir do site WOOK ou da nossa aplicação (APP).
A versão web da Biblioteca Wook está otimizada para as versões mais recentes dos browsers Google Chrome, Internet Explorer, Safari, Firefox e Edge.
Para otimizar o acesso à sua Biblioteca Wook e ter acesso à opção de leitura em modo offline (sem ligação à internet) deverá instalar a nossa APP de leitura:
X
wook deve saber
Este eBook está encriptado com DRM (Digital rights management) da Adobe e é aberto na aplicação de leitura Adobe Digital Editions (ADE) ou em outras aplicações compatíveis.
Após a compra, o eBook é de imediato disponibilizado na sua área de cliente para efetuar o download.

Para ler este eBook num computador instale a aplicação Adobe Digital Editions.
Antes de instalar o Adobe Digital Editions, veja aqui o vídeo de ajuda:

Para ler este eBook em tablet e smartphone instale a aplicação Adobe Digital Editions para IOS ou Android.

X
wook deve saber
O PDF é um formato de arquivo digital desenvolvido pela Adobe e que disponibiliza uma imagem estática das páginas do livro e, independentemente do dispositivo de leitura, não redimensiona o texto ao tamanho do ecrã do dispositivo.
X
wook deve saber
O ePUB é um formato que proporciona uma excelente experiência de leitura dado que permite o redimensionamento do texto ao ecrã do dispositivo de leitura, aumentar ou diminuir o tamanho do texto, alterar o tipo de fonte, entre outras funcionalidades
X
não encontrou wook procura?
Nós procuramos por si!

A sua identificação:

A identificação do livro que procura:

O seu pedido foi enviado com sucesso!
X
envie esta lista aos seus amigos
lista de desejos

A identificação da pessoa a quem quer enviar esta lista:

X
A sua lista de compras foi enviada com sucesso para .
X
selecione o livro adotado:
X
wook deve saber


Oferta de portes, ou devolução do valor em cartão, para Portugal continental em CTT Expresso Clássico ou Rede Pickup. 30% de desconto, ou devolução em cartão, nos envios para as ilhas dos Açores e Madeira, em CTT Expresso Clássico. Tipos de envio disponíveis para encomendas até 10 kg.

Promoção válida para encomendas de livros não escolares registadas até 31/12/2017. Descontos ou vantagens não acumuláveis com outras promoções.

X
wook deve saber


A devolução do valor dos portes de envio, em cartão Wookmais, será efetuada 18 dias após a faturação. Oferta válida para uma encomenda com entrega em Portugal.

X
wook deve saber


EM STOCK – ENVIO IMEDIATO
Se a sua encomenda for constituída apenas por produtos com esta disponibilidade e for paga até às 16 horas de um dia útil, será processada de imediato e enviada para o correio no próprio dia. Encomendas pagas após as 16 horas passarão para o processamento do dia útil seguinte. Esta disponibilidade apenas é garantida para uma unidade de cada produto e até 15 minutos após o registo da encomenda.

ENVIO ATÉ X DIAS
Esta disponibilidade indica que o produto não se encontra em stock e que demorará x dias úteis a chegar do fornecedor. Estes produtos, especialmente as edições mais antigas, estão sujeitos à confirmação de preço e disponibilidade de stock no fornecedor.

PRÉLANÇAMENTO
Os produtos com esta disponibilidade têm envio previsto a partir da data de lançamento.

DISPONIBILIDADE IMEDIATA
Tipo de disponibilidade associada aos eBooks, que são disponibilizados de imediato, após o pagamento da encomenda, na sua biblioteca.

Para calcular o tempo de entrega de uma encomenda deverá somar à disponibilidade mais elevada dos artigos que está a encomendar o tempo de entrega associado ao tipo de envio escolhido.

X
a sua lista de desejos encontra-se vazia
Adicione à sua lista de desejos todos os produtos que deseja comprar mais tarde, envie-a aos seus amigos antes do seu aniversário, Natal ou outras datas especiais - quem sabe se eles o surpreendem!
Seja informado sobre promoções destes produtos
X
Ocorreu um erro
Por favor tente novamente mais tarde.
X
atingiu o limite máximo de dispositivos autorizados
Por favor, aceda à area de cliente para gerir os dispositivos ativos.
X
Temos pena de o ver partir!
Pode voltar a subscrever as nossas newsletters a qualquer momento, na sua área de cliente em "Newsletters".
Junte-se à comunidade wook nas redes sociais:
X
wook deve saber


WOOK É O CHECKOUT EXPRESSO?
Esta modalidade de checkout permite-lhe comprar em dois cliques, seguindo diretamente para a confirmação de encomenda.

COMO FUNCIONA?
A encomenda é pré-preenchida com os dados que habitualmente utiliza - morada faturação, morada de entrega, forma de envio e tipo de pagamento. Para finalizar o processo, necessita apenas de confirmar os dados.

POSSO UTILIZAR OS MEUS VALES?
Vales e outros descontos que se encontrem no prazo de validade, serão igualmente considerados automaticamente na encomenda.

CONSIGO ALTERAR OS DADOS DA ENCOMENDA?
Sim. Antes de confirmar, tem ainda a possibilidade de alterar todos os dados e opções de compra.

EXCEÇÕES
O botão do Checkout Expresso só será visível se:
  • Selecionar previamente, na Área Cliente, as moradas habituais de envio e de faturação;
  • Associar uma conta wallet, quando a morada de envio selecionada é no estrangeiro;
  • Não incluir artigos escolares na encomenda.