Evocação de Sophia

de Alberto Vaz da Silva

editor: Assírio & Alvim

« [...] uma evocação breve, mas muito expressiva, tocante, muito valorizada pelo prefácio de Maria Velho da Costa, que constitui outra “evocação”. Evocação de uma escritora por outra, que era sua amiga e muito a admirava, e que no seu estilo muito próprio fixa alguns instantes de uma singular “partilha”, nos tempos felizes e nos últimos anos da vida de Sophia.»
JL

«Curiosa forma tem Alberto Vaz da Silva de abeirar-se aqui de Sophia, em evocação intensa, dilectíssima e discreta. “Quem tiver ouvidos para ouvir […]”. A visão inaugural é a de um jardim. Ainda não se fala de livros, nem de versos, mas de uma adolescente num “maravilhoso jardim semi-abandonado e selvagem”, deslizando atrás do aroma “profundo, intenso, secreto, veludoso, insondável” que é a alma do mundo e a nossa própria. Quando Sophia, recuperando a memória desse lugar, escrever que “o corpo de Alexandre daMacedónia era, por sua natureza, aromático”, certamente re-corda e a-corda.Os jardins são, para a consciência, territórios de origem, patamares, cavidades maternais, propulsores de vertiginosa passagem.
A imagem do epílogo, por sua vez, é um traço do autor, a impressão do olhar perante Sophia que escreve, apenas isso: “Ali, naquela folha, arvorava o seu nome […]”. Detenho-me no modo exacto e, todavia, inesperado que Alberto Vaz da Silva propõe para enunciar, ou anunciar, o acto da escrita: “arvorava”. No princípio e no fim temos, assim, o jardim, pois a escrita é, ela também, singular forma de arborescência. A caligrafia é tatuagem orgânica, matéria com predicados vegetais: linha indivisa, ramificada, que se multiplica desde as raízes até ao alto (ou desde o alto até às raízes, como ensina a Cabala). Escrever mantém uma equivalência misteriosa com o arborescer.
Este é, se quisermos, um livro sobre jardins. Os que nos precedem, os que formam sem sabermos a nossa alma e os seus declives, os que silenciosamente se avistam nas várias formas de grafia, desde aquela que cintila na vastidão silenciosa dos céus (e que também nos pertence), à nossa grafia íntima, feita de arranhões, de registos digitais, de textos, crateras.»
JoséTolentino Mendonça, no posfácio deste livro

Evocação de Sophia

de Alberto Vaz da Silva

ISBN: 978-972-37-1453-1
Editor: Assírio & Alvim
Idioma: Português
Dimensões: 145 x 205 x 9 mm
Encadernação: Capa mole
Páginas: 112
Tipo de produto: Livro
Coleção: Testemunhos
Classificação temática: Livros em Português > Literatura > Biografias
EAN: 9789723714531
Assírio & Alvim
11,97€ 13,30€
Assírio & Alvim
13,95€ 15,50€
portes grátis
SCML
7,00€ 10% CARTÃO
Livraria Pedro Cardoso
30,00€ 10% CARTÃO
portes grátis